A prestação paga pelos clientes ao banco pelo crédito à habitação vai descer em setembro nos contratos com Euribor a três e seis meses, face às últimas revisões, segundo simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.

No caso de um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses com um spread (margem de lucro do banco) de 1%, este paga a partir de setembro 453,12 euros, o que significa menos 5,27 euros face à última revisão da prestação, em março.

Já no caso de um empréstimo nas mesmas condições, mas indexado à Euribor a três meses, o cliente passa a pagar 450,10 euros, menos 13,85 euros do que o que pagou desde junho.

Desde abril que milhares de famílias não estão a pagar o crédito à habitação, fazendo uso do decreto-lei do Governo que permite moratórias nos créditos à habitação por seis meses, com suspensão dos pagamentos das prestações (juros e capital) até 30 de setembro, prazo que, entretanto, foi estendido até 31 de março de 2021.

As taxas Euribor são o principal indexante em Portugal nos contratos bancários que financiam a compra de casa. A Euribor a seis meses é a mais usada, seguida da taxa a três meses.

Em agosto, a média da taxa Euribor a seis meses foi de -0,433% e a média da taxa a três meses de -0,480%.

As taxas Euribor estão em terreno negativo desde 2015 e a expectativa dos analistas é que se mantenham negativas nos próximos anos (ainda que com avanços e recuos) devido à política de estímulos monetários do Banco Central Europeu (BCE) e face às incertezas da economia europeia.

Esta segunda-feira, último dia de agosto, a taxa Euribor a seis meses atingiu o mais baixo valor, de -0,448%, que já tinha sido alcançado a 3 de setembro de 2019.