O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denunciou esta terça-feira que a cirurgia no serviço de urgência do hospital de Beja funciona “abaixo dos mínimos de segurança” e está “em perigo de encerrar” se não forem contratados mais médicos.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o SIM refere que “as equipas de cirurgia” na urgência do hospital de Beja, que é gerido pela Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), “estão a funcionar abaixo dos mínimos de segurança para cidadãos e médicos”.

Contactada pela Lusa, a presidente do conselho de administração da ULSBA, Conceição Margalha, disse que “não é verdade” que as equipas estão a funcionar “abaixo dos mínimos de segurança”.

“O que acontece é que há dias, que são pontuais e raros, em que não há o terceiro cirurgião de serviço numa equipa — o de urgência interna —, mas é algo que acontece pontualmente“, frisou, explicando que a lei obriga a que cada equipa de cirurgia de urgência seja composta por três cirurgiões — dois na urgência geral e um na urgência interna.

Segundo o SIM, os cirurgiões do hospital de Beja estão “exaustos” e “já ultrapassaram há muito as 150 horas de trabalho extraordinário, o que é agravado” pela pandemia de Covid-19 e pela idade dos clínicos.

“Dos seis chefes de equipa” de cirurgia do hospital, “quatro têm mais de 50 anos e dois mais de 55 anos”, alega o SIM, referindo que os médicos com aquelas idades “já não são obrigados a fazer serviço de urgência e só a sua dedicação é que os motiva”.

“Apesar dos alertas dos médicos, o conselho de administração [da ULSBA] tem-se mantido insensível e incapaz de resolver o problema“, lamenta o SIM, referindo que “aconselhou os seus associados a apresentarem minutas de escusa de responsabilidade”.

O SIM “exige” que a administração da ULSBA “contrate médicos”, porque, “de outra forma”, a cirurgia no serviço de urgência “terá de encerrar e referenciar os doentes para os [outros] também sobrecarregados hospitais da região”.

Conceição Margalha reconheceu que a equipa de cirurgiões do Serviço de Cirurgia do hospital de Beja é “envelhecida”, mas “tem respondido às necessidades da população” e, por isso, “não tem havido problemas” e, “até ao momento, não se colocou a questão” do encerramento da valência de cirurgia no serviço de urgência.

“Mas não posso garantir que no futuro seja igual”, porque “se os médicos [do Serviço de Cirurgia] com mais de 50 ou 55 anos se recusarem a fazer urgência, como a lei lhes permite, teremos esse problema, mas, neste momento, não temos”, frisou a presidente do conselho de administração da ULSBA.

De acordo com a lei, os médicos com mais de 50 anos podem deixar de fazer serviço de urgência à noite e os com mais de 55 anos podem recursar fazer qualquer serviço de urgência, disse a responsável.

Segundo Conceição Margalha, atualmente, a equipa do Serviço de Cirurgia do hospital de Beja é composta por 10 cirurgiões que fazem parte do quadro da ULSBA, sendo que seis têm mais de 55 anos e os restantes quatro menos de 50 anos, e por sete médicos internos da especialidade de cirurgia, dois dos quais já terminaram a formação de especialidade e deverão ficar a trabalhar no hospital.

A cirurgia de urgência do hospital tem seis chefes de equipa, sendo que dois têm mais de 55 anos e quatro menos de 50 anos.

Os médicos com mais de 55 anos não são obrigadas a fazer urgência, mas, até ao momento, têm-se dedicado ao serviço e pautado pelo não encerramento [da cirurgia no serviço de urgência] e por responder às necessidades da população”, frisou a presidente a ULSBA.

Conceição Margalha disse ter “esperança” que através dos dois próximos concursos de contratação, um a decorrer e outro a lançar em breve, “entrem novos profissionais que venham melhorar as condições de trabalho existentes”.

A ULSBA tem feito “todos os esforços para contratar médicos, exemplo disso são os vários concursos que têm sido abertos para trazer pessoas novas para as equipas”, mas “sem sucesso”, e “muitos dos internos não ficam no hospital de Beja depois de terminarem a formação de especialidade”.

“A dificuldade em contratar médicos não é só da ULSBA, várias instituições de saúde do interior do país debatem-se com este grande problema e com a carência de recursos humanos e fazemos o nosso melhor para responder às populações e, realmente, é à custa da sobrecarga dos profissionais e da sua dedicação aos serviços”, rematou Conceição Margalha.