As receitas do jogo em Macau caíram 94,5% em agosto, em relação a igual período de 2019, anunciou esta terça-feira a Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ).

Os números apontam ainda que, nos primeiros oito meses do ano, as perdas dos casinos em relação ao ano anterior foram de 81,6%, um resultado devido ao impacto da pandemia de Covid-19 e às fortes restrições nas fronteiras.

As operadoras que exploram o jogo na região administrativa especial chinesa arrecadaram, em agosto, 1,33 mil milhões de patacas (cerca de 139 milhões de euros) contra 24,26 mil milhões de patacas (cerca de 2,5 mil milhões de euros) no mesmo mês do ano passado, adiantou.

De acordo com os mesmos dados, o mês de junho foi, até agora, o pior do ano, com os casinos a registarem uma queda de 97% das receitas, angariando apenas 716 milhões de patacas (cerca de 75 milhões de euros).

Em junho de 2019, a receita bruta foi de 23,8 mil milhões de patacas (2,48 mil milhões de euros).

Os casinos de Macau fecharam 2019 com receitas de 292,4 mil milhões de patacas (cerca de 31,1 mil milhões de euros).

Com os vistos turísticos da China para Macau suspensos, o número de visitantes provenientes do interior da China chegou a cair em maio 99,4%, em termos anuais.

Devido à pandemia, os casinos fecharam durante 15 dias em fevereiro e os últimos resultados das operadoras apontam para prejuízos na ordem das centenas de milhões de euros.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 847.071 mortos e infetou mais de 25,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.