Tyll, o romance do alemão Daniel Kehlmann que esteve nomeado para o International Booker Prize deste ano, vai ser publicado neste mês de setembro pela Bertrand. O livro é um dos quase 100 que a editora pretende lançar até ao final do ano, foi revelado esta terça-feira durante a apresentação das novidades da rentrée editoral.

O romance de Daniel Kehlmann — conhecido por A Medida do Mundo, a recriação da vida de duas figuras importantes do Iluminismo alemão, o naturalista e explorador Alexander von Humboldt e o matemático e físico Carl Friedrich Gauss — é uma versão muito própria da história de Tyll Ulenspiegel, uma figura que fez a sua primeira aparição literária num folheto impresso no século XVI em Estrasburgo, mas que terá origens no folclore germânico.

Tyll teria nascido em Kneitlingen, perto de Brunsvique, por volta do ano 1300. Uma espécie de mendigo, durante a sua vida, viajou pelo Sacro Império Romano-Germânico e por Itália, pregando partidas. Terá morrido em Mölln, perto de Hamburgo, onde hoje existe uma estátua em sua honra, de Peste Negra, em 1350. A obra de Kehlmann coloca-o mais à frente no tempo, em plena Guerra dos Trinta Anos, um dos conflitos mais sangrentos da história que dominou uma parte da primeira metade do século XVII e que teve o seu epicentro na região da atual Alemanha.

“Tyll”. A Guerra dos Trinta Anos vista por um bobo mágico que não tem medo de rir da morte

Um bobo da corte, Tyll é uma figura quase mística que, “na sua graça demoníaca e sede de liberdade, é o próprio espírito de rebelião – uma rolha na água, uma gargalhada na escuridão, um herói para todos os tempos”, refere a sinopse divulgada pela Bertrand, que descreve  o “romance monumental” de Kehlmann como uma “invulgar fusão entre a ficção histórica, o picaresco e o realismo mágico”. São estas características que, segundo a editora, “levam alguns a comparar Daniel Kehlmann a Umberto Eco, posicionando-o como um dos grandes embaixadores da literatura em língua alemã dos nossos dias”.

Além de Tyll, a Bertrand vai também publicar em setembro Uma Luz ao Longe, um romance autobiográfico de Aquilino Ribeiro, e uma nova edição da tradução da Eneida feita por professores da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Na não-ficção, a editora apostou nas obras Adolfo Kaminsky: o falsificador, de Sarah Kaminsky, e O Crepúsculo da Democracia O fracasso da política e o apelo sedutor do autoritarismo, da jornalista norte-americana Anne Applebaum, entre outras.