O Serviço de Saúde da Madeira (Sesaram) identificou esta semana duas áreas no Hospital Central do Funchal onde a água canalizada está imprópria para consumo, indicou esta sexta-feira a coordenadora do Controlo de Infeção Hospitalar.

“Posso assegurar que, do ponto de vista microbiológico, os nossos tanques de água estão dentro da normalidade e não têm quaisquer problemas”, disse Margarida Câmara, à margem de uma visita do presidente do Governo Regional da Madeira ao Hospital Central do Funchal. A responsável esclareceu que as análises detetaram resíduos que se encontravam depositados nas canalizações em “dois pontos específicos” utilizados por pessoal do hospital, mas não partilhados por utentes.

A informação foi inicialmente divulgada pelo Diário de Notícias da Madeira, com a indicação de que o Sesaram tinha recomendado aos funcionários e utentes que, por precaução, não ingerissem a água canalizada naquelas instalações até ser conhecido o resultado da contra-análise, na próxima semana. “Nós, trimestralmente, fazemos monitorizações em determinados pontos, muitas vezes aleatórios, e quando identificamos alguma não conformidade, damos orientações, ou para não ingerir a água ou para não utilizar aquele ponto”, disse Margarida Câmara.

A coordenadora do Controlo de Infeção Hospitalar explicou também que, devido às medidas de contenção da Covid-19, alguns serviços do Sesaram estiveram fechados, do que resultou a acumulação de resíduos nas canalizações.