A Portway, que é detida pela ANA – Aeroportos de Portugal, e a Euroatlantic, estão a reduzir o número de funcionários através de rescisões amigáveis, avançou a TVI24. À Rádio Observador, Fernando Simões, dirigente sindical e trabalhador da Portway, afirmou que ainda “não foi contactado por parte da empresa”, mas que estão marcadas “reuniões com largas centenas de trabalhadores”, incluindo uma com o trabalhador.

Seixal recebeu marcha lenta contra a realização da Festa do Avante

“A empresa chamou trabalhadores sem dizer motivos “, diz o sindicalista que receia despedimentos com “números de há quatro anos atrás” quando a Ryannair deixou de ser cliente. De acordo com Fernando Simões, foram contactados “duas a três centenas” de funcionários da Portway que já esperam o pior.

ANA Aeroportos avança com plano de “saídas voluntárias”

“É preciso analisar se a situação vai avançar ou não”. Contudo, Fernando Simões assume o pior, dizendo que “os contactos foram cirúrgicos” e quem está a ser chamado são dirigentes sindicais, grevistas e pessoas com restrições de horários. O dirigente lembrou que há quatro anos quem não aceitou as rescisões amigáveis propostas em reuniões semelhantes foi ameaçado que constaria “na lista de um despedimento coletivo”.

À TVI 24, a Portway, que tinha fechado no final de agosto um programa de rescisões, assumiu que este ainda não tinha fechado. Já a Euroatlantic assumiu estar a “avaliar uma série de medidas que garantam a sustentabilidade da empresa”.