Portugal continental manteve-se no final de agosto em situação de seca moderada, sendo pontualmente severa no Baixo Alentejo e Algarve, em relação ao mês de julho, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o índice meteorológico de seca (PDSI) disponível no site do IPMA, no final de agosto, 58,9% de Portugal continental estava em seca fraca (uma diminuição relativamente ao mês de julho (71,4%), 22,6% em seca normal, 18% em seca moderada e 0,5% em seca severa (0,3% em julho).

Segundo o índice, no final de agosto verificou-se ainda nas regiões do Norte e Centro uma diminuição da área em seca fraca. Em julho tinha-se registado um aumento da área em seca meteorológica no território do continente e, nas regiões do Baixo Alentejo e Algarve, um aumento da classe de seca moderada, pontualmente severa.

No final do mês de julho, 71,4% de Portugal continental estava em seca fraca, 19,9% em seca moderada, 8,4% normal e 0,3% em seca severa.

O IPMA avança ainda que o período de janeiro a agosto de 2020 foi o mais quente dos últimos 90 anos (desde 1931), como já tinha ocorrido nos primeiros sete meses deste ano.

O instituto classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre “chuva extrema” e “seca extrema”. De acordo com o IPMA, existem quatro tipos de seca: meteorológica, agrícola, hidrológica e socioeconómica. A seca meteorológica está diretamente ligada ao défice de precipitação, quando ocorre precipitação abaixo do que é normal.

Depois, à medida que o défice vai aumentando ao longo de dois, três meses, passa para uma seca agrícola, porque começa a haver deficiências ao nível da água no solo. Se a situação se mantiver, evolui para seca hidrológica, quando começa a haver falta de água nas barragens. Existe também a seca socioeconómica, assim assumida quando já tem impacto na população.

Além do índice de seca, o Boletim Climatológico do IPMA indica que o mês de agosto foi quente em relação à temperatura do ar e normal em relação à precipitação. De acordo com o instituto, durante o mês verificou-se uma grande variabilidade dos valores da temperatura do ar (mínima, média e máxima).

O IPMA indica que no período de 04 a 10 de agosto ocorreu uma onda de calor em alguns locais do interior Norte e Centro (Montalegre, Vila Real, Guarda, Penhas Douradas) e temperaturas abaixo do normal em dois períodos (dias 12 a 17 e 28 a 31).

Nestes períodos foram ultrapassados os menores valores da temperatura mínima do ar para o mês de agosto em cerca de 10% das estações meteorológicas do continente.

No que diz respeito à precipitação em agosto, foi registado um valor muito próximo do normal (13,9 milímetros).

Durante o mês de agosto, ocorreu precipitação essencialmente entre os dias 17 e 20 de agosto nas regiões a norte do Tejo, sendo de destacar o dia 20, com valores diários de precipitação muito altos para a época, tendo sido ultrapassados os maiores valores de precipitação diária em alguns locais da região nordeste do território.

O IPMA destaca ainda que no final do mês de agosto, em relação ao mês anterior, se verificou uma diminuição dos valores de percentagem de água no solo em todo o território, sendo de salientar as regiões do Interior Norte, Vale do Tejo, Baixo Alentejo e Algarve.