O Teatro do Funchal reabre na terça-feira as portas ao público, depois de seis meses encerrado devido à covid-19, mas sem deixar de funcionar, apoiando os artistas e aproveitando o tempo de confinamento para renovar-se, segundo o município.

“O Teatro Municipal Baltazar Dias reabre fisicamente em 08 de setembro”, declarou o presidente da Câmara do Funchal, entidade que tutela a principal casa de espetáculos da cidade, um imóvel de estilo neoclássico, inaugurado em 11 de março de 1888, inspirado nos modelos italianos, como o Teatro São Carlos (Lisboa) e o La Scala (Milão).

Em 12 de março, o teatro encerrou ao público devido à covid-19, mas “nunca parou, nem mesmo em pleno período de confinamento”, assegurou Miguel Silva Gouveia à agência Lusa.

“Até agosto, o teatro desenvolveu cerca de 80 atividades em formato digital, que alcançaram cerca de 150 mil visualizações nas redes sociais da Câmara Municipal do Funchal, no âmbito de uma iniciativa que foi denominada de ‘A Cultura que nos Une'”, destacou.

O autarca da coligação Confiança (PS, BE, PDR e Nós, Cidadãos!) realçou que “esta nova programação, adaptada às novas circunstâncias vividas este ano, contemplou a criação de novos conteúdos e garantiu remuneração a quase uma centena de artistas”.

A atual conjuntura, considerou, exigiu que os agentes culturais fossem “criativos e ágeis na procura de novas soluções, sempre defendendo a democratização no acesso à cultura e a valorização dos artistas regionais e do património”.

A Câmara do Funchal lançou o projeto Funchal Cultura: 2030, que tem por objetivo a criação de um plano estratégico para a cultura do concelho a pensar na próxima década. A cidade é, aliás, candidata a Capital Europeia da Cultura em 2027.

O município aproveitou o tempo em que o teatro esteve de portas fechadas para realizar obras de reabilitação, num investimento de 164 mil euros.

“Foram realizados todos os investimentos que se justificaram para que o teatro pudesse iniciar a sua nova temporada artística com todas as condições de usufruto e segurança”, mencionou Miguel Silva Gouveia.

A divulgação da programação da nova temporada do Teatro Baltazar Dias está prevista para 10 de setembro, a próxima quinta-feira.

O funcionamento vai estar sujeito às regras e recomendações delineado no plano de contingência elaborado para o espaço, que passam, por exemplo, pela redução de lugares.

A lotação da sala será de 134 lugares, sendo 81 na plateia, e os espetadores mantêm uma cadeira vazia entre si e sentam-se em filas desencontradas. As duas primeiras frisas deverão ficar vazias e existirão apenas 46 lugares nos camarotes.

Este teatro tem habitualmente capacidade para 184 lugares na plateia, quatro para espetadores de mobilidade reduzida, 66 nas frisas e 128 nos camarotes.

Também se prevê o distanciamento de dois metros entre os músicos ou pessoas em palco, a utilização dos balneários apenas em último caso, ensaios parcelares ou individuais e somente quatro pessoas podem ocupar cada um dos camarins, espaços que não podem ser utilizados se os grupos atuantes tiverem mais de 15 elementos. Uma hora antes do espetáculo, o palco deverá ficar completamente livre para desinfeção.

A nova temporada artística, referiu o autarca, arranca com um espetáculo musical com a direção artística de Juliana Andrade e produção de Ricardo Silva Araújo, no qual participam 30 artistas, reunindo “todas as linguagens artísticas: música, dança, teatro, artes circenses e artes digitais”.

“É um espetáculo inspirado no energético musical original realizado por Michael Gracey ‘The Greatest Showman’, com duração prevista de 20 minutos, que tem como protagonistas Elisa Silva, Micaela Abreu e Nuno Perestrelo”, indicou.

A estes nomes juntam-se as vozes de João Camacho, Beatriz Gouveia, Maria Santos e Margarida Dória, e uma pequena orquestra com nove músicos.