Donald Trump vive numa “realidade diferente” quando o tema é racismo. As acusações foram feitas por Kamala Harris, candidata do Partido Democrata à vice-presidência dos EUA. Para a número dois de Joe Biden, o adversário de Trump nas presidenciais, o chefe de Estado e o procurador-geral, William Barr, “passam todo o seu tempo numa realidade diferente”, havendo “dois sistemas jurídicos diferentes”: um para negros e outro para brancos.

Kamala Harris fez história ao tornar-se na primeira mulher de ascendência negra e indiana a aceitar a nomeação como candidata a vice-presidente dos Estados Unidos por um grande partido, com vista às eleições presidenciais de 3 de novembro. No entanto, a atual senadora pelo estado da Califórnia chegou a ser criticada por ter alegadamente sido muito dura com as minorias quando era procuradora naquele estado antes de ser eleita para o Senado, em 2017.

Existem desigualdades raciais nos Estados Unidos e um sistema que participou no racismo, em termos de aplicação da lei. Não nos serve de nada negá-lo. Precisamos de falar sobre isso, sejamos honestos”, sublinhou a senadora, de 55 anos.

Durante uma visita esta semana ao estado do Wisconsin — que regista tensões raciais desde que Jacob Blake, um afro-americano, foi alvejado sete vezes nas costas por um polícia, encontrando-se nos cuidados intensivos e paralisado —, Donald Trump recusou-se a falar de racismo quando foi questionado por um jornalista.

“Volta sempre ao tema oposto. Devemos falar de violência”, respondeu o Presidente norte-americano a propósito das inúmeras manifestações antirracistas dos últimos meses no país. Simultaneamente, William Barr defendeu numa entrevista esta semana que a Justiça é a mesma para todos os cidadãos dos Estados Unidos e sublinhou que “é preciso ter cuidado quando se levanta a ideia de racismo”, por considerar que “não é tão comum como as pessoas dizem”.

Jacob Blake, 29 anos, foi atingido a tiro em 23 de agosto. O caso desencadeou protestos que tornaram o Wisconsin centro do debate por todos os Estados Unidos da América sobre violência policial e injustiça racial.

O debate, e os protestos por todo o país, foram desencadeados pelo caso de George Floyd, um afro-americano que morreu asfixiado por um polícia branco em maio passado, em Minneapolis.