O opositor russo Alexei Navalny acordou do coma induzido e o seu estado de saúde melhorou, escreve a BBC que cita fontes hospitalares alemãs. Navalny está agora a responder a estímulos verbais.

O principal opositor político de Vladimir Putin foi envenenado com Novichok, anunciou o governo alemão no início do mês. À data, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse que Navalny foi “vítima de um crime” e que houve “uma tentativa de homicídio por envenenamento de uma das principais figuras da oposição da Rússia”, segundo a Associated Press.

Opositor russo Alexei Navalny foi envenenado com Novichok, confirma o governo alemão

Após o sucedido, Navalyn foi transportado para a Alemanha no passado mês de julho.

Merkel admite consequências para projeto de gasoduto Nord Stream 2

A chanceler alemã admitiu esta segunda-feira que haja consequências para o projeto do gasoduto Nord Stream 2, se Moscovo não fornecer esclarecimentos sobre o envenenamento do opositor russo Alexei Navalny, mas a Rússia não acredita que tal possa ocorrer.

“A chanceler (Angela Merkel) considera que seria errado excluí-lo logo a partida”, disse numa conferência de imprensa o porta-voz Steffen Seibert, ao ser questionado se possíveis sanções contra a Rússia poderiam afetar o projeto do gasoduto.

No domingo, o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, fez as mesmas observações, declarando no canal de televisão pública ARD que “seria errado excluir a priori” consequências para o Nord Stream, projetado para abastecer a Alemanha e a Europa com gás russo.

Maas deu a Moscovo alguns dias para “contribuir para a clarificação” sobre o que aconteceu no caso do opositor Alexei Navalny.

Caso contrário, “teremos de discutir uma resposta com os nossos parceiros europeus”, advertiu Maas, cujo país atualmente preside o Conselho da União Europeia (UE).

O ministro alemão acrescentou que, em caso de sanções, devem ser “direcionadas” e mencionou em particular um possível congelamento do Nord Stream 2.

No entanto, o Kremlin disse hoje que não acredita que Berlim interrompa a construção do gasoduto Nord Stream 2, após as ameaças feitas por Maas.

“Vemos declarações como esta e observamos que para cada nova declaração deste tipo surgem mais duas que explicam o quão absurdas são essas propostas”, disse hoje o porta-voz do Presidente russo, Dmitri Peskov.

O representante do Kremlin lembrou que as autoridades russas pediram a Berlim informações sobre o estado de saúde de Navalny, que está internado em uma clínica alemã, e saudou a afirmação de Maas de que o pedido russo seria atendido.

“Não há motivo que os impeça de fornecer esta informação. Por isso esperamos que, tendo em conta a repercussão que este caso teve, a informação seja entregue nos próximos dias, aguardamos com ansiedade”, disse Peskov.

Peskov observou que “esta informação ajudará a estabelecer as causas que levaram à doença do paciente de Berlim”, como o Kremlin chama Navalny, cujo nome evita dizer.

“Todas as tentativas de associar a Rússia de qualquer forma ao que aconteceu (a Navalny) é inaceitável para nós”, disse ainda aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Essas tentativas são “absurdas”, garantiu o porta-voz.

Principal opositor do Presidente russo, Vladimir Putin, conhecido pelas investigações anticorrupção a membros da elite russa, Alexei Navalny, 44 anos, está internado, em coma, desde 20 de agosto.

O político sentiu-se mal durante um voo de regresso a Moscovo, após uma deslocação à Sibéria. Foi primeiro internado num hospital de Omsk, na Sibéria, tendo sido transferido, posteriormente, para o hospital universitário Charité, em Berlim.

O Novichok integra um grupo particularmente perigoso de agentes neurotóxicos russos que foram proibidos, em 2019, pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).