Uma mensagem que circulou nas redes sociais e entre os militares insinuou que uma tenente era a protagonista de um vídeo pornográfico, levando o Exército a agir, de acordo com o Correio da Manhã.

A oficial, que tinha sido rosto de uma campanha publicitária do Exército um mês antes, denunciou a situação aos superiores, que não só desmentiram internamente que a militar tivesse participado naquele filme, como remeteram o caso para a Polícia Judiciária Militar e abriram um processo de averiguações.

A mensagem, além do vídeo (protagonizado por uma atriz pornográfica italiana) era acompanhado da fotografia da campanha publicitária e de outras fotografias de lazer da tenente retiradas das redes sociais, fazendo crer que se tratava da mesma pessoa.

Na nota interna com o desmentido, a que o Correio da Manhã teve acesso, o Exército condenou “de modo veemente a inqualificável devassa da vida privada da militar e a infame associação de conteúdos de índole pornográfica à imagem de uma sua briosa oficial que se disponibilizou generosamente a colaborar no esforço de recrutamento”.

Confrontado com o caso, fonte oficial do Ministério da Defesa afirmou genericamente ao Correio da Manhã que “o assédio e a violência de género são uma realidade potencial nas Forças Armadas como em qualquer outra parte da sociedade”.

O Governo tem em curso desde o final de julho um grupo de trabalho para criar um mecanismo de denúncias formais que permita combater a discriminação, assédio e violência de género nas Forças Armadas.