A produção da indústria alemã cresceu 1,2% em julho em relação ao mês anterior e contraiu 10,0% na comparação anual, de acordo com dados provisórios divulgados esta segunda-feira pelo Departamento Federal de Estatística (Destatis) alemão.

Já os dados da produção industrial de junho foram corrigidos, com um aumento de 8,9% para 9,3% em relação a maio e uma queda de 11,7% para 11,4% em comparação a 2019. Desde o início da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, a produção industrial caiu por dois meses consecutivos, em abril, de 17,9% em relação ao mês anterior e de 25,3% na comparação anual, a maior queda desde o início da série histórica em janeiro de 1991. A produção voltou a aumentar desde maio, 7,4% naquele mês em relação a abril. Em relação a fevereiro, mês anterior à introdução das restrições para conter os contágios, a produção caiu 10,8% em julho – corrigidos os efeitos sazonais e de calendário. No setor industrial, a produção de julho cresceu 2,8% face a junho.

Além da própria produção industrial, a geração de energia caiu 0,6% em julho em relação ao mês anterior e a atividade na construção civil contraiu 4,3%. No setor industrial, a produção de bens intermediários cresceu 4,0%, a de bens de consumo 1,8% e a de bens de investimento 2,1%. No maior setor da indústria alemã, o automóvel, a produção cresceu 6,9% em julho, mas ainda está 15% abaixo da registada em fevereiro. Já o fabrico de máquinas caiu 3,9%.

Na comparação bimestral, a produção cresceu 13,8% no período junho-julho frente a abril-maio devido à recuperação após a retração económica em abril, com alta de 17,9% no setor industrial, e praticamente inalterado (+ 0,1%) na construção. A recuperação da produção observada desde maio continuou em julho, embora em ritmo mais lento, e no setor industrial atingiu quase 90% do nível registado no último trimestre de 2019, antes do início da pandemia, indicou o Ministério da Economia. A melhoria nas expectativas dos empregadores e a diminuição do número de empregados no “Kurzarbeit”, modalidade de curta duração subsidiada, sugerem que o processo de recuperação continuará nos próximos meses, embora ainda demore.

Por sua vez, o instituto económico alemão Ifo prevê ligeiro aumento da produção para os próximos meses e indica hoje, num comunicado, que o índice de expectativa de produção, baseado em pesquisa com industriais, subiu de 14,3 pontos em julho para 15,4 pontos em agosto. “Aos poucos, o motor da economia alemã, a indústria, está a retomar de novo”, disse Klaus Wohlrabe, líder das pesquisas do Ifo.