O CDS acusou esta quinta-feira o governo de falta de preparação na gestão da pandemia da Covid-19, particularmente no regresso às aulas e na situação dos lares, acusando o executivo socialista de “incompetência” na antecipação da pandemia.

Na sessão da Comissão Permanente que decorreu esta tarde, na Assembleia da República, o deputado centrista João Almeida apontou falhas à capacidade de antecipação do executivo de António Costa para gerir as várias necessidades do país no contexto da pandemia causada pela Covid-19.

O que se pedia ao governo era que previsse, que preparasse e que respondesse, quer na crise pandémica quer na crise social e económica. Mas basta alguns exemplos para percebermos que isso não aconteceu”, considerou o deputado.

João Almeida questionou “onde estava a capacidade de prever a situação quando os lares portugueses continuaram a ser assolados por inúmeros surtos da pandemia, sem que o governo mostrasse qualquer capacidade de prever que isso ia acontecer e ter condições de resposta”.

Os centristas apontaram que os membros da comunidade escolar “não fazem a menor ideia em que condições é que as escolas vão funcionar já partir da próxima semana”.

Quanto ao Plano de Recuperação Social e Económica, elaborado por António Costa Silva, para o CDS “restam as generalidades”, criticando o facto deste se limitar a uma “descrição de prioridades que no fundo tornava tudo prioritário”.

Para os centristas, a recuperação económica e social pós-Covid não poderá ser feita pelo lado da distribuição mas sim através da capacidade de aproveitamento do financiamento da União Europeia, priorizando a criação de riqueza e com uma baixa “substancial” de impostos.

Achamos muito perigoso que a ameaça de crise pandémica e a ameaça da crise social e económica, se junte a ameaça da incompetência do governo. É possível mesmo fazer muito melhor”, concluiu o deputado.