O Olympiacos bateu hoje o AEK Atenas por 1-0 na final da Taça da Grécia de futebol, com a formação treinada pelo português Pedro Martins a conquistar o troféu, num jogo em que atuaram seis jogadores lusos.

O sérvio Lazar Randjelovic aproveitou um passe em profundidade do guineense Mady Câmara para fazer o único golo do jogo, com um remate cruzado já dentro da área do AEK Atenas.

Já na segunda parte, aos 56, o marroquino Al Arabi desperdiçou um penálti a favor do Olympiacos, permitindo a defesa do guardião adversário, Panagiotis Tsintotas, mas a taça já não fugiu aos pupilos de Pedro Martins.

Do lado do AEK Atenas, atuaram de início o defesa Hélder Lopes, o médio André Simões (substituído aos 80 minutos) e o avançado Nélson Oliveira, com o defesa Paulinho, ex-Desportivo de Chaves, a ser entrar em campo aos 62.

Pelo Olympiacos, que juntou a Taça helénica ao campeonato ganho nesta temporada atípica, marcada pela pandemia de covid-19, atuaram o médio Cafú e o defesa Rúben Semedo, ambos lançados em jogo já na segunda parte.

O jogo foi disputado sem público no Estádio Panthessaliko, em Vólos, depois de ter sido adiado por duas vezes, primeiro, por razões de segurança, e, depois, por causa de jogadores do Olympiacos infetados com o novo coronavírus.

Pedro Martins realça que a “dobradinha é sempre especial” após vencer Taça da Grécia

“Estamos muito felizes por mais este título. Conquistar a ‘dobradinha’ é sempre especial”, lançou o técnico em declarações reproduzidas pela sua assessoria de imprensa, após a vitória por 1-0 sobre o AEK Atenas.

Pedro Martins vincou que esta última conquista acontece num momento que marca a conclusão de uma “época de excelência”, mas também o arranque da nova temporada em que quer ver o Olympiacos ainda mais forte, considerando que esta vitória “irá aumentar ainda mais os índices de confiança de todo o grupo”.

O treinador luso garantiu ainda que o plantel onde atuam o guarda-redes José Sá (afastado da final devido a lesão), Rúben Semedo e Cafú (que começaram hoje a partida no banco de suplentes, mas foram lançados na segunda parte), vai continuar a trabalhar com o mesmo “empenho e motivação”, após a ‘dobradinha’.

“As vitórias do passado são motivo de enorme orgulho, mas temos sempre o foco na próxima vitória que queremos alcançar”, rematou.