As autoridades intercetaram o grupo de migrantes que desembarcou ilegalmente ao início da tarde na ilha Deserta, em Faro, e que se colocou em fuga de seguida, disse à Lusa fonte da Autoridade Marítima.

Segundo o comandante da Zona Marítima do Sul, o grupo de 28 migrantes, alegadamente proveniente de Marrocos e que inclui três mulheres, estava às 16h30 “em trânsito para o cais comercial de Faro a bordo de embarcações da Polícia Marítima e da GNR”.

Em comunicado, a Autoridade Marítima adiantou que no grupo está também uma criança, cuja idade não foi especificada, e que uma das três mulheres está grávida.

Os outros grupos de migrantes que desembarcaram nos últimos meses na costa algarvia eram exclusivamente compostos por homens.

Quando chegar a terra, o grupo seguirá de autocarro para a Base de Apoio Logístico de Quarteira, onde será sujeito à realização de testes de despiste à Covid-19, prevendo-se que seja depois entregue ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, acrescentou Fernando Rocha Pacheco.

A embarcação em que os 28 migrantes chegaram à ilha tem cerca de sete metros e é semelhante às usadas nos outros cinco desembarques ilegais registados na região desde dezembro.

O desembarque foi comunicado às autoridades via 112 por pessoas que se encontravam na praia, naquela ilha, que não possui habitantes e apenas tem um restaurante e um apoio de praia.

No local estiveram pelo menos 18 elementos da Polícia Marítima, apoiados por quatro embarcações e outros meios. Na operação estiveram também envolvidos elementos da Unidade de Controlo Costeiro da GNR.

Este é o sexto de desembarque ilegal na costa algarvia envolvendo migrantes do Norte de África.

O mais recente caso ocorreu em julho, quando um grupo de 21 homens, alegadamente marroquinos, desembarcaram na ilha do Farol, também no concelho de Faro.

Notícia atualizada às 17h17 com a informação de que os migrantes foram intercetados.