O furacão Paulette deverá afetar o grupo Ocidental dos Açores no próximo fim de semana já como tempestade pós-tropical, depois de ter atingido na segunda-feira a costa das Bermudas.

Segundo informação disponibilizada esta terça-feira na página do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), às 14h nos Açores (15h em Lisboa) o furacão Paulette “encontrava-se a 915 quilómetros a nordeste das Bermudas, com uma pressão mínima no seu centro de 965 milibares (mb), prevendo-se que nos próximos dias se mantenha com deslocamento para nordeste”.

De acordo com o IPMA, é esperada uma inversão para sul no deslocamento do ciclone tropical, entre quinta-feira e sexta-feira, “podendo desta forma afetar o grupo Ocidental”, composto pelas ilhas das Flores e do Corvo, “com uma probabilidade aproximadamente de 20% no próximo fim de semana”, mas “já como tempestade pós-tropical”.

Tendo em conta “a distância geográfica e temporal a que o furacão se encontra”, o IPMA refere que “existe incerteza relativamente à sua trajetória e respetiva intensidade com que poderá atingir o arquipélago”, pelo que um novo comunicado será emitido durante a tarde de quarta-feira.

O Paulette é um dos ciclones tropicais ativos atualmente no Atlântico, uma situação que acontece apenas pela segunda vez na história: a outra teve lugar há 49 anos em 1971.

Há 5 ciclones tropicais ativos no Atlântico. É a segunda vez na história, não acontecia desde 1971 e dois podem vir a ser super furacões

O furacão Paulette atingiu a costa das Bermudas esta segunda-feira, com ventos, tempestades e chuvas muito fortes, que ainda se fazem sentir. Segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA (National Hurricane Center – NHC), “as ondas produzidas pelo Paulette afetaram ainda partes das Ilhas Leeward, as Grandes Antilhas, as Bahamas e os próprios Estados Unidos”. O Paulette deve agora continuar a fortalecer-se à medida que segue em direção a mar aberto e pode tornar-se num grande furacão, com ventos de pelo menos 180 km/h, na quarta-feira. Se isso acabar por acontecer, será apenas o segundo furacão a atingir essa categoria este ano, sendo que cada temporada só costuma ter em média três grandes furacões no total.

O possível percurso do Paulette