A Cupra, a marca desportiva da espanhola Seat, vai participar em mais um tipo de competição à escala global, a Extreme E. Reservada a veículos eléctricos, tipo buggy e com quatro rodas motrizes, este campeonato é organizado pela equipa que também é responsável pela Fórmula E, disciplina que na próxima temporada irá ascender ao estatuto de campeonato do mundo. A Extreme E vai visitar cinco locais no planeta onde os problemas ambientais se fazem sentir e recorrer à competição com veículos a bateria para chamar a atenção para o problema.

Esta temporada de estreia vai acolher oito equipas, cada uma com dois pilotos, tendo previsto correr no deserto, em glaciares, nas florestas tropicais, nas praias junto ao oceanos e no Árctico, visitando assim alguns dos locais mais problemáticos em matéria de alterações ambientais.

Lewis Hamilton aposta nos buggies TT da Extreme E

A competição vai decorrer num sistema de eliminação, até restar apenas o vencedor, aos comandos de veículos com tracção integral e um total de 544 cv, com um peso de 1650 kg. A Cupra surgirá associada aos alemães da ABT, com a curiosidade de ambos possuírem experiência em competir com veículos eléctricos – a marca espanhola por ter desenvolvido o Cupra Leon e-Racer, a versão a bateria de um carro do TCR, enquanto a ABT tem uma equipa a representá-la na Fórmula E.

Mas há uma ligação anterior entre a Cupra e a ABT, que tem a ver com potencial da empresa alemã enquanto preparador. Foi a ABT que desenvolveu uma versão do Cupra Ateca, o SUV da marca, mais potente e mais agressiva do que a versão normal com motor de 300 cv. O Cupra ABT extrai 350 cv do motor dois litros sobrealimentado, transformando o SUV compacto num desportivo de respeito. Em nome da igualdade de género, a equipa Cupra/ABT vai contar com serviços do experimentado e rápido Mattias Ekström, a que se juntará uma piloto, a anunciar em breve.