Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A premissa era simples: unir uma comunidade sob o mesmo credo — o do cesto e da bola — de norte a sul e devolver-lhe o espaço na cidade para que esta pudesse florescer. Mas, jogada após jogada, iniciou-se um movimento maior: a arte e a prática desportiva fundiram-se, os campos passaram a telas. A missão vai além do estético, é agora social. São pessoas, vizinhos, miúdos, artistas, jogadores, bairros e ruas que se juntam pelo amor ao basquetebol e à arte, pela mão da Hoopers, uma plataforma comunitária incubada na Startup Lisboa, cofundada por André Costa.

“O meu background está essencialmente ligado a duas áreas, a de consultoria estratégica e ao universo das startups, mas isto acabou por acontecer como um acaso”, esclarece. O avô, o pai e ele fizeram a bola rolar em campo e o jogo acabou sempre por estar presente. Foi essa, aliás, a razão que o levava sempre a procurar um campo, fosse onde fosse.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.