A Madeira vai receber 1.400 milhões de euros de fundos europeus até 2027, afirmou esta quarta-feira o presidente do PS no arquipélago, o deputado regional Paulo Cafôfo, defendendo a criação de uma estrutura de fiscalização sobre a aplicação das verbas.

Ao intervir na sessão plenária da Assembleia Legislativa da Madeira, Paulo Cafôfo adiantou que o Governo de António Costa já entregou uma primeira proposta do pacote financeiro ao Governo Regional (PSD/CDS-PP), que, no seu entender, deverá envolver na prática entidades governamentais, autárquicas e empresários.

“Terá de haver transparência, pelo que deverá ser criada uma estrutura idónea para este pacote, porque não deve ser distribuído pelos amigos do Governo, mas pela população, tornando a região mais resiliente”, disse.

O presidente do PS/Madeira reconheceu o trabalho realizado pelo Governo Regional no âmbito da contenção da pandemia da Covid-19, mas lembrou que o momento é de apoiar as empresas e os postos de trabalho.

“Salvamos também vidas se salvarmos empresas”, realçou, apontando o turismo como um setor importante para o relançamento económico do arquipélago.

Para isso, defendeu ser necessário seguir uma política de manutenção do emprego, de criação de apoios a fundo perdido às empresas, de redução da carga fiscal, de investimento na promoção turística nos mercados tradicionais, de apresentação de uma nova marca para o destino Madeira e de criação de um fundo regional de captação de rotas aéreas, passando a TAP a realizar também voos diretos dos mercados emissores de turismo para a região.

Além disso, acrescentou, é importante apostar na digitalização do setor, na preservação do património e na certificação da região como destino turístico sustentável.

“O que não podemos é inventar, ter um presidente do Governo Regional que não sabe o que quer da vida”, afirmou, numa alusão à eventual candidatura do presidente do executivo, Miguel Albuquerque, à Presidência da República.