Quarta-feira foi um dia particularmente agitado nos corredores do Sporting. Rúben Amorim, treinador da equipa principal de futebol dos leões, conheceu o resultado positivo para a Covid-19, elevando para dez o número de casos entre jogadores e o próprio corpo médico, com o diretor clínico, João Pedro Araújo, a saber na véspera que também estava infetado, como o Observador avançou. No entanto, era nas modalidades que começavam a soar os alarmes para possíveis casos. As suspeitas confirmaram-se, com o voleibol a ser o mais afetado.

Na terça-feira, Luís Magalhães, treinador da equipa de basquetebol, falhou o Troféu Stromp no Pavilhão João Rocha frente à Académica, assim como o seu adjunto, o ex-atleta e internacional Flávio Nascimento. Ambos apresentaram sintomas, neste caso febre, foram de imediato isolados do grupo, fizeram os testes e viram confirmados os resultados positivos na quarta-feira, já depois do triunfo frente aos estudantes e a poucos dias da qualificação para a Liga dos Campeões. Também no voleibol o técnico Gersinho apresentou sintomas, cumprindo-se o mesmo esquema. Aí a decisão não demorou: a atividade foi suspensa por haver a suspeita de que o número de casos positivos não ficaria pelo brasileiro, algo que se confirmou com mais quatro infetados (para já).

“O Sporting informa que optou por suspender a atividade da equipa sénior masculina de voleibol desde o dia 15 de Setembro, altura em que foi detetado o primeiro caso de infeção por Covid-19. Atualmente, estão identificados cinco casos (três elementos do staff e dois atletas, sendo que estes se encontram assintomáticos) que estão a ser devidamente monitorizados. O restante plantel encontra-se em quarentena e com acompanhamento constante”, explicou o clube em comunicado, antes de confirmar que não marcará presença na Supertaça, onde deveria jogar frente ao Benfica este sábado a meia-final da competição que este ano tem um novo formato.

“De salientar que o Sporting acionou de imediato o Plano de Contingência para controlo e monitorização da infeção por Covid-19, estando em contacto com as autoridades de saúde e a seguir todas as normas e orientações da Direção-Geral da Saúde, sendo que todo o plantel e staff já foi devidamente testado”, acrescentou.

Também no basquetebol todo o plantel foi testado, por forma a perceber se existem mais casos positivos (ou só suspeitas) tendo em conta a Final Four de acesso à Liga dos Campeões, que se irá disputar na cidade búlgara de Botevgrad contra os suíços do Friburgo Olympic (dia 23, terça-feira) e, em caso de vitória, contra o vencedor do encontro entre os romenos do U-BT Cluj Napoca e os bósnios do Igokea. Por trabalharem no mesmo espaço, que foi entretanto limpo e desinfetado, andebol (joga esta noite com o Gaia), hóquei em patins (jogou ontem as meias da Alenquer Cup com o Alenquer e Benfica) e futsal foram também testados esta semana.

Em relação ao futebol, e quando tudo apontava para que os casos positivos tivessem sido todos detetados, houve mais uma má notícia entre os responsáveis verde e brancos: João Palhinha, médio que tinha testado negativo e que por isso viajou para a concentração em Lagos para começar a criar a “bolha limpa” que norteou o regresso à competição no final da última temporada, teve um resultado positivo, tendo assim de ficar em isolamento. Ao todo, o Sporting passa a ter assim nove jogadores infetados, além de Rúben Amorim e João Pedro Araújo e um outro elemento que também está com a comitiva no Algarve e que recebeu o resultado esta manhã.

Uma fonte leonina explicou ao Observador que o surto poderá ter começado com o regresso de crianças mais novas à escola mas já antes havia casos positivos entre a equipa B, entre confirmados (Bruno Paulista ou Marco Túlio) e suspeitos. Ou seja, entre confirmados ativos, são mais de 15 na Academia atualmente – juntando ainda alguns familiares de elementos da equipa principal. Já antes, em agosto, tinham sido detetados casos positivos mas ligados ao scouting. Nas reuniões entre Liga de Clubes, DGS e demais autoridades de saúde, pelo menos um responsável criticou o comportamento de alguns clubes durante as férias e em relação à monitorização dos jogadores (ou a falta dela), algo que o Sporting refutou, garantindo que cumpriu todas as regras.

Olhando apenas para o futebol profissional, as contas atuais são as seguintes: Nuno Santos, Rodrigo Fernandes e Borja tiveram resultado positivo no domingo; Renan Ribeiro, Pedro Gonçalves, Luís Maximiano e Gonçalo Inácio, que tinham testes inconclusivos, deram positivo na segunda-feira; João Pedro Araújo, diretor clínico, teve na terça-feira a confirmação da infeção; Rúben Amorim e Eduardo Quaresma testaram positivo na quarta-feira; e João Palhinha soube agora que também estava infetado, numa informação avançada pelo jornal Record e já confirmada pelo Observador, subindo o número para 11. O Observador apurou ainda que existe mais um elemento do staff com um teste positivo, o que aumentará o total para 12 – e também ele estava no Algarve.