O festival de cinema de San Sebastián começa esta sexta-feira em Espanha, condicionado pela covid-19, mas com a promessa de exibição da programação em sala, incluindo três filmes portugueses em competição.

Este ano, o festival será mais discreto, tanto nos eventos paralelos como na presença de convidados internacionais, abrindo com “Rifkin’s Festival”, de Woody Allen. No total, serão exibidos 142 filmes até ao dia 26, incluindo três produções portuguesas, selecionadas para a secção competitiva Zabaltegi-Tabakalera, descrita pela organização como “a mais aberta” do festival.

Nesta competição está “A metamorfose dos pássaros”, de Catarina Vasconcelos, que tem conquistado vários prémios internacionais desde que teve estreia mundial em fevereiro, em Berlim, os mais recentes dos quais no IndieLisboa.

Para aquela secção foram ainda selecionados o filme “Simon Chama”, primeira longa-metragem de ficção da realizadora portuguesa Marta Ribeiro, e a curta-metragem “Noite Perpétua”, de Pedro Peralta, que tem como pano de fundo a ditadura e repressão do regime franquista, de Espanha.

O 68.º Festival de San Sebastián terminará com “El olvido que seremos”, de Fernando Trueba.

O ator e realizador Viggo Mortensen receberá o prémio Donostai de carreira.