O grupo aéreo Lufthansa anunciou esta segunda-feira que vai eliminar mais empregos e reduzir em 150 aviões a dimensão da sua frota porque a recuperação “tem sido mais lenta do que esperado”, após a paralisação causada pela pandemia.

A Lufthansa indicou que quer reduzir a sua frota, que tem um total de 763 aviões, em 150 aparelhos até 2025, quando até agora previa prescindir de 100 aviões.

A companhia, que perde atualmente cerca de 500 milhões de euros por mês, considerou que a redução da sua frota vai levar a “um aumento” dos postos de trabalho “excedentários”, depois de já ter anunciado que pretendia eliminar 22 mil empregos.

A Lufthansa não revelou o número exato de empregos suplementares que podem vir a ser eliminados, tendo referido apenas que quer alcançar acordos para limitar o número de despedimentos, em particular através de trabalho a tempo parcial com cortes salariais.

Os números de reservas e de passageiros têm baixado de novo com o fim do período de viagens” de verão, indicou a Lufthansa em comunicado.

No quarto trimestre, o grupo Lufthansa, que detém a Swiss, Austrian Airlines e a Brussels Airlines, espera agora que a oferta represente entre 20% e 30% do nível que tinha na mesma altura do ano passado, quando inicialmente apontava para 50%.