Os protestos para parte do público no Teatro Real, em Madrid, devido à falta de distanciamento social levaram a que um espetáculo, este domingo, fosse suspenso.

De acordo com o jornal espanhol El País, a indignação fez-se sentir porque não havia lugares vagos entre as pessoas que não tinham ido juntas ao teatro. Nas filas mais altas e afastadas do palco — onde os preços dos lugares são mais baratos — havia até 15 lugares seguidos ocupados, contou uma das espetadoras. A situação, contudo, não era diferente nas filas mais próximas do palco, como relatou a jornalista e escritora Rosa Montero, que estava no teatro este domingo: “As 12 ou 14 primeiras filas, as mais caras, não tinham um único lugar livre.”

As pessoas começaram a bater palmas, como se pode ver pelo vídeo divulgado no Twitter de Rosa Montero, para mostrar o seu descontentamento. A polícia chegou mesmo a ser chamada ao local, depois de os responsáveis pelo teatro anunciarem que iriam atrasar o início do espetáculo para quem quisessem sair do teatro e exigir a devolução do dinheiro do bilhete.

A orquestra, que iria tocar a ópera de Giuseppe Verdi “Um Baile de Máscara”, ainda tentou dar início ao espetáculo, mas sem sucesso. Como os protestos continuaram, o espetáculo acabou por ser suspenso.

Em comunicado, o Teatro Real garantiu que a lotação do espetáculo era de 51,5%, sendo que a norma imposta pela comunidade de Madrid é de até 75%. Ainda assim, anunciou que irá abrir uma investigação para apurar o que aconteceu “e tomará as medidas necessárias” para que os próximos espetáculos decorram normalmente.