O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou esta segunda-feira a morte do copiloto do avião Canadair que caiu enquanto combatia um incêndio na zona do Parque Nacional da Peneda-Gerês, em agosto.

De acordo com uma nota publicada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa “apresentou hoje sentidas condolências aos familiares do copiloto”, Maximiliano Plaza Bretón, de nacionalidade espanhola, que ficou “ferido na sequência do trágico acidente do avião Canadair a 8 de agosto, enquanto combatia um incêndio no Gerês ao lado do piloto português, Jorge Jardim, que infelizmente faleceu no local”.

Comandante Jardim, o piloto que nunca aceitou parar e que perdeu a vida no Gerês

“O Presidente da República enaltece o profissionalismo de todos aqueles que, em particular nos últimos meses, têm prestado um serviço de equipa e o auxílio imprescindível no combate aos terríveis incêndios que tanto têm fustigado o nosso país”, lê-se na mesma nota.

A morte do copiloto do avião Canadair foi noticiada esta segunda-feira por meios de comunicação espanhóis.

Segundo o jornal A voz da Galiza, o homem, de 38 anos, foi encontrado hoje morto na sua casa, em Babilafuente, na província de Salamanca, onde se encontrava a recuperar dos ferimentos graves provocados pela queda do avião Canadair no início de agosto.

Por sua vez, o jornal Faro de Vigo avança, citando o diário La Gaceta, que se aguardam os resultados da autópsia para determinar as causas da morte.

A queda do avião que combatia um incêndio no Parque Nacional da Peneda-Gerês, em Lindoso, concelho de Ponte da Barca, no distrito de Viana do Castelo, provocou a morte do piloto, de nacionalidade portuguesa, de 65 anos.

No dia do acidente, o copiloto foi transportado para o Hospital de Braga e no dia 15 de agosto foi transferido para o hospital Virgen de la Vega, em Salamanca, onde acabou por ser operado, refere o Faro de Vigo.