Os municípios de Vila Real de Santo António e Castro Marim vão suspender todos os eventos em equipamentos municipais e em espaço público que envolvam aglomerações, uma das medidas de um plano conjunto para prevenir a propagação da Covid-19.

As medidas esta segunda-feira anunciadas pelas autarquias algarvias para vigorar até 15 de outubro incluem também a interdição do uso de todos os equipamentos desportivos municipais à prática de modalidades desportivas, exceto pelos agrupamentos escolares.

Na sequência da evolução epidemiológica da Covid-19 nos concelhos de Vila Real de Santo António e Castro Marim, e a fim de minimizar as probabilidades de contágio, os dois municípios decidiram implementar, por mútuo acordo, um conjunto de medidas mais restritivas de isolamento e proteção da população”, lê-se num comunicado da Câmara de Vila Real de Santo António.

Além da “suspensão de todos os eventos desportivos, culturais e sociais” em equipamentos do município e em espaço público que envolvam aglomerados de pessoas, as autarquias vão também interditar o uso de todos os equipamentos desportivos municipais à prática de desporto, incluindo treinos e jogos de competição.

Só é permitida a utilização dos equipamentos desportivos municipais pelos agrupamentos de escolas, nos termos dos seus planos de contingência, para a realização de aulas de educação física, ficando à responsabilidade do próprio agrupamento a determinação da realização das aulas”, lê-se no comunicado.

Os municípios do sotavento (leste) algarvio, localizados junto à fronteira com Espanha, recomendam ainda o uso de máscara de proteção individual “em todas as situações de contacto com outras pessoas, inclusive na rua”.

Citada no comunicado, a presidente da Câmara de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita (PSD), justifica as medidas com a “proximidade existente entre os municípios, nomeadamente em termos territoriais e geográficos”.

Nesse sentido, refere a autarca, “foi decidido desenvolver uma estratégia comum de controlo e mitigação pandémica e avançar com ações concretas para travar a propagação generalizada do novo coronavírus”.

Os municípios alertam, ainda, para a proibição de festas privadas, nos termos já previstos pela Direção-Geral da Saúde (DGS), sublinhando que haverá um reforço na fiscalização.

Pedem, igualmente, às forças policiais “uma implementação rigorosa da normativa nacional e municipal relacionada com o combate à pandemia, identificando os infratores e aplicando as sanções previstas na lei”.

Por fim, apelam “ao reforço do espírito de civismo e disciplina já mostrado pelos munícipes ao longo desta crise, evitando todos os contactos pessoais e profissionais não essenciais, bem como todo e qualquer comportamento de risco”.