A companhia aérea portuguesa euroAtlantic Airwaysapresentou ao Governo timorense a proposta da realização de um voo “charter” mensal entre Lisboa e Díli, pelo menos durante a pandemia da Covid-19, disse à Lusa o administrador da empresa.

“Há uma possibilidade no mercado, devido à pandemia e não haver ligações de Timor-Leste com a Europa e Lisboa. A curto prazo podemos vir cá uma vez por mês, em sistema de “charter”, trazendo pessoas e carga de Lisboa para Dili”, disse o administrador e piloto-chefe da euroAtlantic, Mário Alvim. “O Governo timorense mostrou abertura, foi apresentada uma proposta da euroAtlantic ao Governo que agora vai ser analisada pelo Ministério dos transportes para ver se há alguma possibilidade de isso ocorrer”, explicou. Mário Alvim falava à Lusa no Aeroporto Nicolau Lobato, em Díli, de onde partiu esta terça-feira ao comando de um Boeing B767-300ER da companhia que no domingo viajou de Lisboa para a capital timorense com mais de 200 passageiros, maioritariamente portugueses e timorenses.

O avião, que regressa esta terça-feira a Lisboa com mais de 50 passageiros, também maioritariamente timorenses e portugueses, foi organizado para suprimir a falta de ligações aéreas para Timor-Leste devido à pandemia da Covid-19. Aproveitando a presença em Díli, Mário Alvim reuniu-se com responsáveis do Governo timorense para apresentar a proposta da realização do voo mensal, que poderia fazer escala noutro país antes de chegar a Díli. “Os dois Governos têm de se envolver porque o custo do voo é muito elevado. Para que não caia tudo nos passageiros, temos de arranjar maneira dos dois governos unirem esforços para conseguir rentabilizar este voo”, sublinhou. “Um voo mensal seria excelente até a pandemia passar. Este avião pode trazer passageiros e carga e essa vantagem é grande. Pode trazer 32 toneladas de ‘payload’ [carga]com uma paragem ou duas máximo”, frisou.

Sublinhando a vontade da euroAtlantic, Alvim recordou que operar um voo de 20 horas entre os dois países é uma operação “cara” que se justifica apenas com suficientes passageiros ou com a vontade de apoio dos governos de Portugal e Timor-Leste. “Já cá viemos várias vezes. Este é o avião indicado para operar este voo. Agora é preciso que haja vontade de todos”, recordou.

Timor-Leste está atualmente sem casos ativos da Covid-19 e mantém-se no quinto período de 30 dias do estado de emergência, que termina no início de outubro, o que implica restrições à entrada no país. Os passageiros que chegaram na segunda-feira tiveram de apresentar testes negativos da Covid-19 e terão de cumprir um período de 14 dias de quarentena em Timor-Leste. O voo da euroAtlantic é esperado em Lisboa ao final da noite de esta terça-feira.