As exportações de Portugal para a China cresceram 5,62% nos primeiros sete meses do ano, enquanto as importações sofreram uma queda de quase 10%, em relação ao período homólogo de 2019.

Os dados oficiais publicados na segunda-feira no portal do Fórum Macau, com base nas estatísticas dos Serviços de Alfândega, chineses, indicam que, de janeiro a julho, Lisboa vendeu a Pequim produtos avaliados em 1,4 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros).

Por outro lado, Portugal importou 2,3 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros) à China, menos 9,76% em termos homólogos.

Nos primeiros sete meses do ano, a balança comercial entre Lisboa e Pequim teve o saldo negativo de 900 milhões de dólares (762 milhões de euros) para Portugal.

No total, as trocas comerciais entre os dois países registaram uma diminuição de 4,5%, de janeiro a julho, para 3,7 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros), em relação ao mesmo período de 2019.

De acordo com as estatísticas, as trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa, nos primeiros sete meses do ano, foram de 77,66 mil milhões de dólares (65,81 mil milhões de euros), um decréscimo homólogo de 7,57%.

A China estabeleceu a região administrativa Especial de Macau como plataforma para a cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum de Macau.

Esta entidade tem um secretariado permanente, reúne-se a nível ministerial a cada três anos e integra, além de um secretário-geral e de três secretários-gerais adjuntos, oito delegados dos países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste).