O líder da maioria republicana no Senado dos EUA, Mitch McConnell, prometeu uma “transição ordeira”, após as eleições presidenciais, em resposta a Donald Trump, que recusou comprometer-se com uma transferência pacífica caso vença o seu rival democrata.

“O vencedor da eleição de 3 de novembro será investido em 20 de janeiro”, escreveu Mitch McConnell, um aliado de Trump, na rede social Twitter.

“Haverá uma transição ordeira, como acontece cada quatro anos desde 1792”, garantiu McConnell.

Donald Trump suscitou reações indignadas, mesmo entre os republicanos, quando, em resposta a um jornalista, se recusou a garantir uma transferência pacífica do poder, qualquer que seja o resultado da eleição que o opõe ao democrata Joe Biden.

“Teremos que ver o que se passará”, disse, numa frase ambígua, Donald Trump, durante uma conferência de imprensa na Casa Branca.

As declarações ambíguas de Donald Trump são ainda mais relevantes quando se sabe que o Presidente e recandidato republicano está em desvantagem nas sondagens e tem afirmado que o voto por correspondência (que será muito utilizado, por causa da pandemia de Covid-19) é uma fonte potencial de fraude.

Joe Biden reagiu imediatamente a esses comentários do Presidente republicano.

Em que país vivemos? Isso só pode ser uma brincadeira! Quer dizer, em que país estamos? Ele diz as coisas mais irracionais… Nem sei o que dizer”, comentou o candidato democrata.

O senador republicano Mitt Romney, que regularmente se opõe ao Presidente, também contestou as afirmações de Trump.

“A transferência pacífica do poder é fundamental para a nossa democracia; sem ela, tornamo-nos a Bielorrússia. Qualquer sugestão de um Presidente de que pode fugir a esta garantia constitucional é impensável e inaceitável”, escreveu Romney no Twitter.