Os sócios do Benfica aprovaram esta sexta-feira o Relatório e Contas da última temporada. Segundo apurou o Observador, 71,18% dos votos foram a favor da aprovação e 27,76% dos sócios votaram contra. Houve ainda uma percentagem residual, de 1,06%, de associados que se abstiveram. No total foram 1270 os sócios a votar a favor do Relatório e Contas, 695 a votar contra e apenas 27 a optar pela abstenção.

O Benfica convocou os sócios para apreciar e votar o relatório de gestão e contas do exercício de 2019/20, em Assembleia Geral (AG) ordinária marcada para esta sexta-feira. A apreciação e votação foi o ponto único da AG, com o sistema de voto a ser presencial — no Estádio da Luz, com “imperativos de segurança sanitária” devido à pandemia de Covid-19 —, mas também por via eletrónica. A AG começou por volta das 14h desta sexta-feira.

O Relatório e Contas apresentou um resultado positivo de quase 27 milhões de euros, muito influenciado pelas empresas participadas, sobretudo a SAD (descontando todas as empresas participadas ficava com 4,4 milhões positivo). Foi o segundo melhor exercício dos últimos sete anos.

Nas receitas, o grande destaque foi o aumento das receitas da quotização pelo sétimo ano consecutivo, num total de 17,2 milhões em 2019/20. Por outro lado, os números do último trimestre por causa da pandemia (e porque o clube decidiu não entrar em lay-off), nomeadamente a queda de 90% nas receitas de marketing no último trimestre.

Em junho, os sócios do Benfica tinham chumbado o orçamento para a época 2020/21, com o voto desfavorável de 48,28% dos sócios (18.329 votos), contra 47,79% de votos a favor (18.143). Anteriormente, o único chumbo de contas tinha sido o Relatório e Contas de 2011/12, que chumbou com 56%. De resto, com Luís Filipe Vieira, todos os orçamentos e Relatórios e Contas passaram sempre.