A Escola de Medicina da Universidade do Minho (UMinho) desenvolveu uma plataforma gratuita que permite fazer uma autoavaliação da saúde mental, anunciou esta sexta-feira aquela academia.

Em comunicado, a UMinho acrescenta que a plataforma dá também acesso a ferramentas de gestão emocional, melhoria do sono e adoção de estilos de vida saudáveis.

A plataforma, gratuita, ajuda a identificar situações que possam beneficiar de encaminhamento para os cuidados de saúde ou aconselhar a marcação de uma consulta.

“Com este projeto, pretende-se aumentar a literacia em saúde mental, em simultâneo com a automonitorização de sintomas e a capacitação da população na autogestão da saúde mental. Em simultâneo, promove-se a consciencialização para a necessidade de recurso aos serviços de saúde e a profissionais qualificados sempre que se verifiquem situações de maior gravidade dos sintomas reportados”, sublinha o comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A ferramenta foi construída pela Escola de Medicina e pelo seu Instituto de Investigação em Centro de investigação da Vida e Saúde ICVS, em parceria com o Centro de Medicina Digital P5. No futuro, está prevista a integração de módulos do projeto Eutimia e da Sociedade Portuguesa de Estudos e Intervenção no Luto, parceiros da iniciativa.

Esta ferramenta permite que cada pessoa possa avaliar e monitorizar os seus sintomas ansiosos e depressivos, recebendo informação acerca do seu estado. Cada pessoa tem também acesso a ferramentas de gestão emocional, melhoria do sono e adoção de estilos de vida saudáveis”, explica Pedro Morgado, investigador e docente da Escola de Medicina da UMinho.

A informação acerca das estratégias propostas foi selecionada por uma equipa de psiquiatras, psicólogos e investigadores da área das neurociências, “de acordo com a melhor evidência científica”.