A Ford recorreu ao armamento e anuncia que, no final do próximo ano, vai chegar à Europa a versão mais performante do Mach-E. Com 465 cv e tracção integral, o Mustang Mach-E GT presta justiça à sigla que invoca as aptidões desportivas do coupé americano, sigla essa agora aplicada num crossover 100% eléctrico que continua no encalço da referência no segmento, o Tesla Model Y. De caminho, a marca da oval azul volta a demarcar-se da concorrência, respondendo aos recém-apresentados Skoda Enyaq iV e Volkswagen ID.4 com a máxima rapidez. Literalmente, pois a fasquia de 0 a 100 km/h é alcançada em escassos 3,7 segundos.

Trata-se de uma marca de respeito, mas a Ford deveria ter evitado dizer que “nunca se viu nada tão rápido no seu segmento”. Isto porque também o Tesla Model Y Performance, que disputa precisamente o mesmo segmento, cumpre o sprint até aos 100 km/h com arranque parado nos mesmíssimos 3,7 segundos do Mach-E GT.

Todos os segredos do Ford Mustang Mach-E eléctrico

Praticamente iguais em termos de medidas (comprimento de 4,8 m para o Y e de 4,7 m para o Mach-E; ambos com 1,9 m de largura e 1,6 m e altura), os pequenos SUV da Tesla e da Ford distinguem-se sobretudo pela potência, bateria e autonomia. O Performance consegue superar o Mach-E GT em potência, são 480 cv (353 kW) contra 465 cv (342 kW), mas monta uma bateria com 75 kWh, 17% mais pequena e mais leve do que o acumulador de 88 kWh do Mach-E GT (ambos os valores dizem respeito à capacidade útil). O facto de o Model Y ter mais potência e uma bateria mais “pequena” explicará a a autonomia 4% mais pequena, na medida em que o Ford bate por 20 km o alcance do Tesla. Mas se o Model Y se fica pelos 480 km em WLTP, enquanto o Mach-E GT reclama 500 km entre recargas, a diferença entre ambos é grande em termos de eficiência, uma vez que o Model Y anunciaria uma autonomia de 563 km caso a sua bateria tivesse uma capacidade similar à da Ford (mais 13 kWh, ou 17%), da mesma forma que o Mach-E GT não passaria dos 426 km de autonomia, caso a sua bateria tivesse a capacidade do acumulador que equipa o SUV da Tesla. E é isto que demonstra a eficiência energética de ambos os veículos.

Também há diferenças na velocidade máxima. Depois de ambos superarem os 100 km/h em 3,7 segundos, o Tesla pode continuar até o velocímetro marcar 241 km/h, ao passo que o Mach-E GT, no limite, aponta a agulha aos 200 km/h. Mas talvez que uma das diferenças mais evidentes seja a capacidade de recarga da bateria em ambos os veículos. A Ford reclama para o Mach-E a capacidade de carga rápida até 150 kW, contando que exista disponível nas proximidades um posto de recarga da Ionity (que ainda não existem em Portugal, nem têm data nem local confirmado), isto enquanto o Model Y pode alimentar a sua bateria a 250 kW nos Superchargewrs V3 da Tesla, que já existem no nosso país. Até lá, resta ao SUV da Ford usar a app FordPass para localizar outros postos de carregamento, na certeza de que o máximo que o Mach-E GT conseguirá extrair serão os 50 kWh dos pontos de carga rápida que por cá existem. Ainda assim, “para proporcionar toda a tranquilidade aos clientes Mach-E durante as suas deslocações”, a Ford oferece, a quem efectuar a compra este ano ou no próximo, “cinco anos de acesso gratuito à rede de carregamento FordPass e um ano de acesso grátis na rede Ionity”, sendo que não é evidente isto inclua a energia transferida para o acumulador.

7 fotos

Exteriormente, a estética do Mach-E GT foi revista para enfatizar o seu carácter mais desportivo, mas sem que existam modificações significativas. A grelha continua a ser fechada, mas agora surge a negro e não na cor da carroçaria. Equipado com suspensão adaptativa MagneRide, o Mach-E GT vem com jantes de liga leve de 20 polegadas, pinças de travão vermelhas e cores específicas para a carroçaria, como o Grabber Blue ou o Cyber Orange que pode ver na galeria. Atrás, a sigla GT substitui a imagem do cavalo (Mustang) ao centro do portão da bagageira.

No interior, em consonância com a dinâmica desta proposta, surgem bancos Ford Performance, volante com inserções em camurça e um ecrã táctil HD de 15,5 polegadas ao serviço do sistema multimédia de nova geração que, segundo a marca, “aprende com os comportamentos do condutor para fazer sugestões inteligentes”.

Ainda não há preços para o Mustang Mach-E GT em Portugal, mercado onde o Model Y Performance pode ser encomendado por valores a partir de 71.000€. A versão Long Range do SUV da Tesla custa 65.000€ e também vai ter rival na Ford. Continuam ambas a oferecer tracção integral, cumprem ambas os 0-100 km/h em 5,1 segundos, mas o Mustang Mach-E oferece uma autonomia de 540 km, suplantando assim os 505 km do Y Long Range.

Quanto ao novo Volkswagen ID.4, para já disponível apenas com tracção traseira, conta com um motor eléctrico de 204 cv (150 kW) e 310 Nm, que é alimentado por uma bateria de 77 kWh de capacidade útil. Aceita carga até 125 kWh e anuncia uma autonomia de 520 km, cumprindo os 0-100 km em 8,5 segundos. A velocidade máxima está limitada a 160 km/h. Preços para Portugal ainda não foram divulgados, mas na Alemanha o ID.4 1st é proposto por um valor base de 49.950€.