Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Está terminada a dança de cadeiras na Seat, o construtor espanhol do Grupo Volkswagen que inclui igualmente a jovem e desportiva marca Cupra. Com a saída de Luca de Meo para a direcção do grupo Renault, a posição de CEO da Seat foi interinamente assumida por Carsten Isensee, para agora ser finalmente atribuída a Wayne Griffiths, que desde Janeiro de 2019 desempenha o papel de CEO da Cupra.

Griffiths conhece bem a casa espanhola, que integrou em 2016 como vice-presidente da Seat para as Vendas e Marketing. O cargo de CEO da Seat vai passar a ser seu a partir de 1 de Outubro, sendo que irá continuar a controlar a Cupra, assumindo ainda, temporariamente, a vice-presidência executiva para as Vendas e Marketing da marca desportiva.

A nomeação de Wayne Griffiths acontece num período particularmente importante para a indústria automóvel, em geral, e para o grupo espanhol, em particular. Além do incremento das gamas das duas marcas espanholas, a Seat e a Cupra vão entrar na fase da electrificação, para já com os híbridos plug-in, mas espera-se que, muito em breve, também com os eléctricos a bateria.

Internamente, se Carsten Isensee se vai passar a concentrar exclusivamente na parte financeira da Seat e Cupra, o até aqui director de produção Christian Vollmer das marcas espanholas passou a desempenhar a mesma função, mas na Alemanha, ao serviço da Volkswagen. Para o seu lugar entra Herbert Steiner.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR