A Polícia Judiciária (PJ) deteve três homens, dois dos quais suspeitos da morte de um idoso após ter sido agredido na sequência de um assalto à sua residência no início do mês, em Cascais, distrito de Lisboa.

Em comunicado esta segunda-feira divulgado, a PJ adianta que na sequência de uma operação policial realizada no sábado foram localizados, identificados e detidos três homens, de 48, 28 e 27 anos, por suspeitas da prática de crimes de roubo agravado, sequestro, homicídio, recetação e detenção de arma proibida.

“Um dos detidos é fortemente suspeito da autoria de vários roubos violentos em residências, visando sempre pessoas especialmente vulneráveis em razão da idade, os quais foram praticados desde finais de 2019 até ao passado dia 23, em Algés, Oeiras, Cascais e Moscavide, tendo, em dois destes assaltos, contado com a participação de um coautor”, conta a PJ.

Dois dos detidos em Cascais, segundo a PJ, terão realizado um assalto este mês no qual um homem de 90 anos morreu após ter sido agredido pelos autores, que o sequestraram a ele e à mulher. Na altura, fonte da PSP tinha dito à Lusa que o casal de idosos foi assaltado em casa no centro da vila, na União de Freguesias de Cascais e Estoril, sendo que o homem, à chegada das forças policiais, já se “encontrava sem sinais vitais”. A mesma fonte disse também que a mulher, de 88 anos, foi transportada para o Hospital de Cascais, por apresentar ferimentos físicos causados por murros.

Em comunicado, a PJ adianta esta segunda-feira que “posteriormente aos assaltos, o produto dos mesmos era entregue ao terceiro detido, o qual faz da recetação de objetos furtados ou roubados o seu modo de vida habitual”, é referido.

Além das detenções, a PJ apreendeu, entre outros bens, uma elevada quantidade de objetos em ouro, numerário, produto estupefaciente e uma arma de fogo ilegal e devidamente municiada. “Tal arma foi encontrada no interior de uma viatura utilizada por um dos detidos, o qual possuía ali, também, um par de binóculos para vigiar previamente os alvos e um aspirador em estado novo, com o qual se apresentava à entrada das residências das vítimas, para que as mesmas pensassem que de um vendedor se tratava, assim lhe entreabrindo as portas e facilitando a intrusão”, adianta a PJ.

Todos os autores têm antecedentes pela prática de crimes idênticos, sendo que um deles já esteve preso num país estrangeiro. Os detidos vão ser presentes, esta segunda-feira, a primeiro interrogatório judicial, no qual serão sujeitos à aplicação das medidas de coação processuais adequadas.

A Polícia Judiciária irá prosseguir a investigação, visando, igualmente, apurar a participação dos detidos em outros crimes.