O percurso da tocha olímpica, que se iniciará em março de 2021, manterá o trajeto inicialmente previsto, um ano após o plano original, informou esta segunda-feira o Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

A tocha sairá da prefeitura de Fukushima em 25 de março do próximo ano e passará por 46 outras prefeituras japonesas, pelas mãos dos estafetas durante 121 dias e até acender a pira no estádio olímpico de Tóquio em 23 de julho.

Será um percurso idêntico ao que estava previsto para este ano, antes da decisão de adiar os Jogos para 2021 devido à pandemia da Covid-19, e já depois de a tocha ter chegado ao Japão em março, proveniente da Grécia. Desde a sua chegada, a tocha foi exibida em vários locais, entre os quais o museu olímpico de Tóquio.

No plano inicial, o Comité organizador previa a participação de 10.000 pessoas no transporte da tocha, um número que não está confirmado para 2021, mas existe a intenção de dar prioridade àqueles que se registaram de início.

O Comité informou também que o plano e percurso podem sofrer alterações “em função da situação da Covid-19”, com o organismo a indicar a existências de várias medidas de segurança sanitária e para “garantir uns Jogos seguros para atletas e público”.

Também hoje, o Comité informou ter conseguido uma quantidade suficiente de plástico reciclável, que será usado na criação dos pódios destinados às competições olímpicas e paralímpicas, depois de obter cerca de 24,5 toneladas.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020, que deveriam ter decorrido entre 24 de julho e 09 de agosto deste ano, foram adiados em março para 2021 (de 23 de julho a 08 de agosto), devido à pandemia da covid-19.

A pandemia já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.