O indicador de sentimento económico manteve, em setembro, a trajetória de recuperação na zona euro após quedas acentuadas relacionadas com a Covid-19, mas a uma velocidade mais lenta, devido ao “pessimismo cada vez maior” da indústria e serviços.

As estimativas da Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros (DG ECFIN) da Comissão Europeia, hoje divulgadas, revelam que, “em setembro de 2020, a recuperação do Indicador de Sentimento Económico continuou, embora a uma velocidade um pouco mais lenta”, tanto na zona euro, como na União Europeia (UE).

Tendo por base inquéritos às empresas e aos consumidores, os dados da DG ECFIN mostram que o indicador de sentimento económico subiu 3,6 pontos na zona euro para 91,1 e 3,4 pontos na UE para 90,2.

“O indicador, em ambas as regiões, recuperou até agora quase 70% das perdas combinadas de março e abril”, observa aquele organismo.

A justificar esta recuperação mais lenta está, de acordo com o DG ECFIN, o “pessimismo cada vez maior na indústria, comércio retalhista, construção e, em particular, nos serviços”, contrabalançando com um aumento da confiança por parte dos consumidores.

Por país, o indicador de sentimento económico recuperou particularmente em Itália (+8,4), França (+5,8), Países Baixos (+2,1), Espanha (+1,6) e Alemanha (+1,2).

No que toca ao Indicador de Expectativas de Emprego, o DG ECFIN fala numa subida pelo quinto mês consecutivo (+2,3 pontos para 91,8 na zona euro e 2,4 pontos para 91,8 na UE).