As chamas devastaram esta segunda-feira as famosas vinhas de Napa Valley, no noroeste da Califórnia, Estados Unidos, acompanhadas por uma nova onda de calor — milhares de pessoas tiveram de abandonar as suas casas durante a noite.

Céus incandescentes, árvores e vinhas carbonizadas, casas devastadas pelas chamas: o incêndio denominado “Glass Fire”, que começou no domingo, devorou, segundo os bombeiros, cerca de 4.500 hectares no condado de Napa, uma das áreas de produção de vinho de maior prestígio nos Estados Unidos.

Algumas propriedades vinícolas tornaram-se cinzas, como a Chateau Boswell, na cidade de Santa Helena, enquanto outras estavam fortemente ameaçadas pelas chamas, como a Merus Wines e a Davis Estates.

Mais de 11.000 pessoas foram obrigadas a abandonar as casas durante a noite de domingo para segunda-feira, segundo as autoridades, incluindo 4.500 residentes de uma zona residencial sénior no condado vinícola de Sonoma, perto da Napa.

Como precaução, a fornecedora de energia Pacific Gas and Eletric (PG&E) cortou a energia de quase 65.000 casas no norte da Califórnia no domingo, incluindo nos condados de Napa e Sonoma.

Mais de 1.000 bombeiros, auxiliados por helicópteros e bombardeiros de água, lutaram esta segunda-feira contra o “Glass Fire”, alimentado por mais uma onda de calor e ventos secos, que ainda não estava sob controlo.

Os condados de Napa e Sonoma já tinham sido atingidos por incêndios devastadores em 2017, matando um total de 44 pessoas e destruindo milhares de edifícios.

A Califórnia está em chamas há meses, os incêndios, que costumam ocorrer entre agosto e novembro, têm-se tornado mais frequentes e mais importantes neste Estado nos últimos anos, em parte por causa das mudanças climáticas.