As autoridades chinesas estão a iniciar uma investigação à norte-americana Alphabet (dona da Google), por eventuais práticas anti-concorrenciais, noticia a agência Reuters esta quarta-feira. Esta é uma decisão que pode anunciada formalmente nas próximas semanas e abalar ainda mais as relações entre os EUA e a China.

O caso tem origem numa queixa da “gigante” chinesa das telecomunicações Huawei, que se queixou de que a Google estaria a aproveitar-se da sua posição dominante no setor dos sistemas operativos móveis (Android) para prejudicar a concorrência.

A decisão formal, segundo disseram duas fontes à Reuters, deverá ser anunciada em outubro, ou seja, ainda antes das eleições norte-americanas (de novembro). Estas são eleições em que Donald Trump tenta vencer Joe Biden e obter a reeleição, Trump que nos últimos meses aumentou a pressão sobre as grandes tecnológicas chinesas – colocou a Huawei na “lista negra” (impedindo que a Google trabalhe com a Huawei para lá ter o sistema operativo Android) e obrigando a empresa dona da rede social Tiktok a ceder controlo das operações nos EUA.

A Huawei falhou as metas de receitas anuais no equivalente a 12 mil milhões de dólares, culpando as decisões da administração norte-americana de impedir que o Android seja instalados nos “smartphones” da marca chinesa. Em resposta, a Huawei vai passar a equipar os seus telemóveis com o seu próprio sistema operativo – o Harmony.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR