Os dois jogos da seleção, em que os estádios vão poder receber 5% e 10% da sua capacidade, são apenas projetos-piloto para testar o comportamento das pessoas – “sem estigma”, disse esta quarta-feira a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas. A responsável sublinhou, na conferência de imprensa, que estes são jogos considerados de “menor risco”, por serem jogos da seleção nacional, mas que servirão para testar a forma como as pessoas se comportam, como entram, como saem dos estádios”. A DGS confirmou, também, que haverá peregrinos no Santuário de Fátima, “cumprindo as regras de segurança” que serão divulgadas esta quarta-feira pelo Santuário de Fátima.

Sobre o futebol, Graça Freitas disse que “temos tido uma situação de precaução e coerência” e que a “prioridade” das autoridades de saúde nesta fase tem sido a reabertura das escolas, para ver como é que esse momento afetava a “dinâmica” da pandemia. Neste contexto, “não estava previsto a existência de público nas bancadas” dos estádios de futebol.

“Dito isto, a situação vai evoluindo e vamos fazer dois projetos-pilotos para testar, em conjunto com a FPF, com jogos da seleção, que são considerados jogos de menor risco”, diz Graça Freitas. Um dos jogos será em Alvalade, com 5% da capacidade, e “veremos qual vai ser o comportamento à chegada, nos circuitos, na saída”. Depois, na semana seguinte, outro jogo com 10% do público – outro jogo da seleção, que é considerado de baixo risco.

“Isto não quer dizer mais nada que não estarmos a fazer um teste”, sublinhou Graça Freitas. “Estamos a testar as condições para ver o comportamento das pessoas, sem nenhum estigma aqui associado, para entrar e estar no estádio”, diz Graça Freitas. “Depois veremos – a avaliação aqui será importantíssima, dizendo que deverá haver um terceiro piloto antes de entrar numa nova fase”.

Jogos da Seleção Nacional vão ter adeptos nas bancadas

Santuário de Fátima vai ter peregrinos no 13 de outubro

Por outro lado, respondendo a uma questão sobre a peregrinação do 13 de outubro a Fátima, Graça Freitas diz que “hoje [quarta-feira] durante o dia será publicado pelo próprio Santuário o parecer que foi dado pelas autoridades de saúde”.

Vai ser possível haver peregrinos no recinto “cumprindo regras de segurança”. As regras vão ser conhecidas “dentro de horas”, revelou a responsável, que começou a conferência de imprensa assinalar que esta quinta-feira começa um novo plano de nacional de vacinação em Portugal – que é “um dos melhores do mundo” e celebra 55 anos no próximo domingo.

A “grande prioridade” é contra a meningite, administrada nos dois primeiros anos de idade, que é onde a doença mais se concentra. Depois, há a vacinação HPV para rapazes: “a nossa grande prioridade é vacinar os rapazes que tenham 10 anos mas que nasceram no primeiro semestre de 2009 – depois serão chamados os outros, progressivamente”.

Brigadas de intervenção rápida estão com menos gente do que previsto, mas Governo está “a trabalhar”

Marta Temido, por seu turno, numa resposta sobre os lares de idosos, cita informação do ministério de Ana Mendes Godinho dizendo que as brigadas de intervenção rápida começam em outubro mas “terão, porventura, menos profissionais do que estava planeado face às dificuldades que têm sido reportadas. Serão cerca de 60 enfermeiros e 200 ajudantes”.

Porém, “estas equipas estarão presentes em todos os distritos e o instituto de segurança social está a trabalhar para atingir um máximo de elementos previstos inicialmente nestas equipas”, diz Marta Temido. Ou seja, o Governo está “a trabalhar” para atingir os objetivos em termos de número de efetivos afetos a esse serviço.

Sobre os lares, “estamos a preparar o pior e esperar o melhor para termos a melhor resposta possível no terreno”, disse Marta Temido.

A ministra da Saúde acrescentou, também, sobre a atividade assistencial a doentes não-Covid, que há “sinais de recuperação” na atividade assistencial não-Covid. “Face ao período homólogo de 2019, em agosto de 2020 verifica-se uma clara tendência de recuperação em termos de consultas de cuidados de saúde primários, com uma descida homóloga de 4,4% em agosto (era de cerca de 10% em maio)”.

Na parte da assistência hospitalar, o total de consultas médicas em agosto era de menos um milhão de consultas, menos 12,6% do que em agosto do ano anterior. Mas em maio o diferencial era superior a -16%. Nas cirurgias, em agosto de 2020, face a agosto de 2019, havia menos 100 mil intervenções cirúrgicas (-22,2%) o que “é uma melhoria face aos meses anteriores – eram menos 28,8% em maio”,  reportou a responsável. Ainda assim, será difícil igualar o que foi registado em 2019, que foi um ano “exemplar” nos cuidados de saúde, disse Marta Temido.

“Capacidade dos hospitais é sempre expansível em função das necessidades”

Sobre a ocupação dos hospitais, Marta Temido falou sobre as regiões norte e Lisboa e Vale do Tejo, onde há mais novos casos. Em LVT neste momento estão 351 internados em 539 camas disponíveis – o hospital com maior pressão, como tem acontecido, é o hospital Beatriz Ângelo, na zona de Loures/Odivelas, onde tem havido uma propagação “persistentemente elevada”.

Na região de LVT, nos cuidados intensivos há 89 disponíveis para Covid e havia 66 utentes internados. “Aqui, a maior pressão é no centro hospitalar de Lisboa central”, disse a ministra Marta Temido. No norte do país, “havia 162 doentes internados em 311 camas disponíveis para Covid-19” e 33 em cuidados intensivos, com 65 camas disponíveis.

“Eu recordo que esta capacidade disponível é sempre expansível em função das necessidades, tanto na enfermaria normal como nos cuidados intensivos”, garante Marta Temido.

Houve mais 825 novos casos e oito mortes, 13 de Outubro vai ter peregrinos