A organização não-governamental portuguesa Oikos vai lançar uma linha de mais de 150 mil euros de apoio a agricultores, pescadores e negócios locais afetados pela Covid-19 em Moçambique, foi esta quinta-feira anunciado.

O programa de ajuda a iniciativas de investimento comunitárias Ayo Okhapelela, que na língua local emakhua significa “Sim! Nós protegemos”, será lançado oficialmente, na sexta-feira, em Moçambique.

De acordo com a organização, trata-se de uma linha de apoio em materiais para negócios que promovam desenvolvimento sustentável para agricultores, pescadores e empreendedores em Mogincual, Liupo, Mossuril e Ilha de Moçambique, com um valor global de mais de 150 mil euros.

As candidaturas aos apoios decorrem até 25 de outubro.

Esta linha procura apoiar iniciativas de base que permitam aplicação das melhores práticas ambientais e geração de rendimento para pequenos empresários locais”, adianta a Oikos.

Os beneficiários serão responsáveis por um investimento de 30% do valor global, sendo os restantes 70% assegurados pela Oikos com financiamento da União Europeia e instituto Camões.

No contexto da atual crise da Covid-19, a linha servirá também para garantir aos empreendedores economicamente afetados pela pandemia e que queiram adaptar as suas atividades ou diversificar investimentos com projetos “amigos do ambiente”, a possibilidade de acederem a materiais para os seus negócios.

A Oikos é uma organização não-governamental para o Desenvolvimento (ONGD)constituída em 1988 e que tem como missão erradicar a pobreza extrema e a promoção do desenvolvimento, nomeadamente nos países africanos de língua portuguesa.