Cerca de uma hora depois do apito final em Alvalade, o Rio Ave ainda discutia com o AC Milan a passagem à fase de grupos da Liga Europa num encontro de loucos com um desempate nas grandes penalidades como nunca antes visto. Antes, no jogo corrido, Francisco Geraldes e Gelson Dala, jogadores cedidos pelos leões no âmbito da ida de Nuno Santos para a formação verde e branca, tinham marcado. Acabaram por cair, a roçar um feito histórico pelo conjunto de Vila do Conde. Antes, em Alvalade, também se assistira a história mas contada por outras linhas.

Os 11 minutos de horror que mostram como um 11 pode ser tão curto (a crónica do Sporting-LASK Linz)

Rúben Amorim, chegado de Braga pouco antes da pandemia que interrompeu o futebol durante meses, nunca tinha perdido como treinador principal na Liga e manteve esse registo até às últimas deslocações a Dragão e Luz, que acabaram por ditar a perda do terceiro lugar do Campeonato e consequente entrada direta na fase de grupos da Liga Europa. Tinha, ainda assim, uma marca: nunca perdera em casa pelo Sporting, entre seis vitórias e um empate sem golos frente ao V. Setúbal. Esta noite, diante do LASK Linz, num jogo que marcava o regresso ao banco de suplentes após ter recuperado da infeção por Covid-19, caiu pela primeira vez e com estrondo.

O 4-1 aplicado pelos austríacos, que afastou o Sporting da Europa logo no terceiro encontro oficial da temporada (primeira vez em que caíram no apuramento para a fase de grupos da competição), entrou no top 5 das piores derrotas de sempre dos leões nas provas internacionais em Alvalade, entre Liga dos Campeões (Barcelona, Bayern e Spartak de Moscovo) e Taça UEFA (Gençlerbirligi). E é preciso recuar 15 anos para se ver uma eliminação tão precoce das competições europeias, sendo que a formação verde e branca chegava a esta decisão no playoff da Liga Europa com um total de sete vitórias em sete encontros diante de formações austríacas.

“Estamos conscientes que falhámos um objetivo, que era atingir a fase de grupos da Liga Europa. O grupo está triste, desiludido, revoltado pelo desenrolar do jogo mas estamos plenamente confiantes e conscientes que domingo vamos dar uma resposta diferente, uma resposta à imagem do Sporting e que traremos uma vitória de Portimão. Sei que os adeptos estão tristes, desiludidos também, mas tenham confiança neste grupo. Não tenham dúvidas que este grupo vai dar alegrias, à imagem do que é representar o Sporting”, comentou no final do jogo Hugo Viana, diretor desportivos do conjunto verde e branco, em declarações na zona mista.

“Um resultado que obviamente não nos deixa satisfeitos, não revela tudo o que foi o jogo, contra uma equipa que sabíamos que era forte. É uma equipa que aproveita um ou outro erro do adversário. Estávamos bem no jogo, sofremos o primeiro, demos a volta, mantivemos posse, com um ou dois erros. A expulsão condiciona o resto do jogo. Lamentamos a eliminação, conscientes do que queremos e do fator de sucesso que queremos implementar. Lamentamos também pelos nossos adeptos, sempre com muita ambição, não se pode cobrar isso à equipa, sempre ambiciosa. Foi um jogo que correu mal. Não tira convicção em relação ao que queremos”, começou por referir Emanuel Ferro, treinador adjunto, na zona de entrevistas rápidas da SportTV.

“No jogo há um conjunto de lances em que no banco temos dificuldades em compreender e que podem ser decisivos”, lamentou de seguida, prosseguindo: “Os jogadores reagiram sempre, sempre com muita crença, foi difícil contrariar uma ou outra situação fortuita. Mesmo com menos um jogador mantivemos a posse mas não sucedeu nada do que queríamos, que era ganhar o jogo. No domingo temos outro jogo completamente diferente e vamos apresentar-nos fortes. A juventude é uma realidade, esta é uma equipa a crescer, há coisas boas associadas a isso. Vamos tirar o melhor partido de cada jogador e de um coletivo forte. Há desilusão e lamentamos pelos adeptos mas há também sinais de que a equipa quer chegar a domingo e focar-se no essencial”.