Festival Mental

Diferentes espaços em Lisboa. Até 9 de outubro. Toda a programação em mental.pt.

Para desmontar preconceitos: arrancou esta quarta-feira e prolonga-se até 9 de outubro, tendo como palcos o Cinema S. Jorge, a Fábrica Braço de Prata e o Espaço Atmosfera M. O Festival Mental já vai na sua quarta edição e a premissa, mais urgente que nunca, mantém-se: “promover a saúde mental e a sua literacia, bem como o estigma na sociedade em geral”. A fórmula combina cinema e informação, com a apresentação de 19 filmes de 13 países diferentes, inseridos na M-Cinema: Mostra Internacional de Curtas Metragens. Já as M-Talks vão dedicar-se a questões como ansiedade, toxicodependências e stress pós-traumático e respetivos filmes temáticos. Conte ainda com programação dirigida aos mais jovens, através do Mental Júnior, e, claro, com um incontornável debate sobre a pandemia da Covid-19. Os bilhetes estão à venda nos locais dos eventos (exceto as atividades gratuitas em que as entradas só podem ser levantadas no próprio dia).

© Divulgação

ZDB no São Luiz

São Luiz Teatro Municipal, Rua António Maria Cardoso, 38, Lisboa. Quinta e sexta-feira, 21h00. 8 a 15 euros

Para uma boa dose de profilaxia: “Enquanto todos se perguntam se a vacina russa funciona realmente, a Zé dos Bois propõe a sua própria luso-medicina: mais espírito do que agulha”. Feitas as apresentações, resta testar a eficácia do que a galeria lisboeta prescreve, em tempos em que a inclusão e as colaborações são a melhor prevenção contra todas as pragas. Desafiada a agendar um ciclo que antecipa o seu 26º aniversário, a ZdB desce ao Chiado para ser acolhida pelo São Luiz, fiel ao registo que aposta na interseção das artes. Entre música, performance e propostas visuais, esta quinta-feira atua Primeira Dama, para apresentar ‘Superstar Desilusão’. Na sexta, é a vez de Odete e Alice dos Reis mostrarem ‘PORTAL’, enquanto Tristany traz ‘Meia Riba Kalxa’.

Dois anos de SÁLA

SÁLA, R. dos Bacalhoeiros, 103, Lisboa. Quarta a domingo, almoços das 12h30 às 14h30, jantares das 19h às 23h

Para alimentar uma boa ideia: é já esta quinta-feira que o chef João Sá celebra dois anos ao leme do seu projeto na Rua dos Bacalhoeiros, o SÁLA, e mais do que servir para soprar velas a efeméride chama a atenção para as famílias e crianças que ficaram mais desprotegidas face à pandemia. Para atenuar a vulnerabilidade social, a faturação deste dia de aniversário será entregue, na totalidade, à Associação Crescerbem, IPSS que trabalha em parceria com o hospital Dona Estefânia. Mais: se for jantar ao SÁLA neste mesmo 1 de outubro será ainda presenteado com um copo de vinho tinto BIRÚ, uma edição limitada de 900 garrafas, engarrafada pelo próprio chef.

O chef João Sá © Divulgação

O Tempo das Imagens III

Biblioteca Nacional de Portugal, Campo Grande, 83, Lisboa. Seg – Sex 9h30 – 19h30 / Sáb. 9h30 – 17h30. Até 31 dezembro. Entrada livre.

Para uma viagem pela obra gráfica: o Centro Português de Serigrafia celebra 35 anos de atividade e a data é assinalada com uma grande mostra na Biblioteca Nacional de Portugal, onde desfilam 99 obras de 77 artistas, distribuídas por 5 núcleos expositivos, “num itinerário que testemunha o ecletismo editorial, geracional, estético e técnico do CPS”, sublinha o Centro sobre “O Tempo das Imagens III” — é este o mote para a exposição que fica patente até final do ano. De José de Guimarães a Júlio Pomar, passando também por nomes como Mário Cesariny, Noronha da Costa, Cruzeiro Seixas, Cristina Ataíde, ou Pedro Calapez, há ainda uma sala dedicada aos Sócios CPS, com uma seleção de obras e de autores que estes têm privilegiado ao longo do tempo. Basta circular pela galeria do Piso 1 da BNP.

© Divulgação

Lagunitas Dogtoberfest

Diferentes pontos no país, durante todo o mês de outubro

Para regar bem o mês: é um Oktoberfest atento aos amigos de quatro patas, pelo menos sempre que beber uma Lagunitas. A marca de cerveja californiana é conhecida por adorar cães (de tal forma que até nos rótulos, escritórios e cervejeira estão presentes) e desde 1993, ano em que surgiu no mercado que tem apoiado os felpudos mais carenciados. É dentro deste espírito que agora promove o Dogtoberfest, uma ação de solidariedade que visa apoiar a SOS Animal, associação à qual a marca se tem vindo a aliar em diversos momentos. O festival decorre durante todo o mês do outubro — mês da cerveja por excelência — em diferentes pontos de norte a sul, e parte do valor angariado com esta iniciativa vai ser doado àquela associação. Catraio, Armazém da Cerveja, Hoptrip, Celta Endovélico, Pinguim Café, Casa Agrícola, Dickens, e Miradouro Ignez são os pontos no Grande Porto que se associam a esta campanha. Já na Grande Lisboa, passe por 21 Brew Pub, Na Medida, Tailors, O’Malta Bistro, DeBru, Anjos 70, Cooleys, O Purista, Canil, Delirium, Hennessy’s, ou O’Gilins Irish Pub

© Divulgação

Arrebita Idanha Bio

Idanha-a-Nova. Sábado (das 12h30 às 19h00) e domingo (12h30 às 20h30). Entrada livre (os pratos custam entre 5 e 8 euros).

Para repetir um projeto vencedor: em agosto explicámos como se organizou o primeiro grande evento gastronómico em tempo de pandemia. Do sul chegavam boas novas e o ânimo necessário para repetir a dose em estado de contingência, agora em outras coordenadas. Este fim de semana, o Arrebita volta a contagiar as hostes, naquela que é a primeira Bio-Região portuguesa, Idanha-a-Nova. De José Avillez a Alexandre Silva ou José Júlio Vintém, o evento gastronómico reúne 25 chefs e produtores nacionais num anfiteatro natural único, para cozinharem os melhores produtos biológicos locais em duas das mais antigas aldeias do município. Sábado, o evento decorre em Penha Garcia, nos moinhos de rodízios, de onde sairão pratos no fogo e inspirados nas tradições da região. No dia seguinte, é a vez de Idanha-a-Velha, uma das 12 Aldeias Históricas de Portugal, receber os cozinheiros nas suas ruas e ruínas romanas.

© Divulgação

Novas Visões

Carpintarias de São Lázaro, Lisboa. A partir de quinta-feira (até 8 de novembro), de quinta-feira a domingo, entre as 12h e as 18h. Entrada gratuita na inauguração, 2 euros nos restantes dias

Para explorar a imagem: é no âmbito da segunda edição do IMAGO PHOTO FESTIVAL – o festival internacional de Fotografia Contemporânea em Lisboa que se trabalham “Novas Visões”, o título da exposição que fica disponível até 8 de novembro no espaço das Carpintarias de São Lázaro. Nos dois pisos principais, com um programa com nomes nacionais e estrangeiros, são apresentados onze diferentes trabalhos que revelam a riqueza da expressão fotográfica atual, percorrendo nomes como Paulo Catrica, Catarina Osório de Castro, ou Marco Godinho. A inauguração é já esta quinta-feira, dia em que o acesso é gratuito.

© Catarina Osório de Castro/Divulgação

Isaki Lacuesta

Solar – Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde. Até 21 de novembro

Para uma breve aventura em vídeo: foi durante o verão que a cantora Silvia Pérez Cruz se reuniu com Isaki Lacuesta para filmar em 16mm e S-8 mm uma série de peças para canções do seu novo álbum: Fatherless, Grito pelao, Tangos de la Vía Láctá, Par Coeur & The Womb. A esta dupla somou-se a bailarina e coreógrafa Rocío Molina, a atriz Alba Flores e a diretora de fotografia Adriana Vila Guevara. É do encontro deste coletivo que nascem quatro peças, para ver de forma independente ou como uma curta de 20 minutos, num casamento entre canções e imagens. Este é apenas um dos trabalhos que podem ser vistos a partir de sábado na Solar – Galeria de Arte Cinemática, que expõe uma seleção de criações do artista e cineasta catalão Lacuesta, em foco na edição 2020 do Curtas de Vila do Conde — incluindo algumas inéditas, ainda em produção durante o período de preparação da exposição.

Tangos de la Vía Lactá @ Divulgação

Magical Garden

Jardim Botânico Tropical, Travessa Ferreiros a Belém, 41, Lisboa. A partir desta quinta-feira. Sextas, sábados e vésperas de feriado das 20h00 às 00h00 (1 a 24 de outubro) e das 18h00 às 00h00 (25 de outubro a 15 de novembro; Qui, Dom e feriados das 20h00 às 23h00 (1 a 24 de outubro), e das 18h00 às 23h00 (25 de outubro a 15 de novembro). 10 a 17,50 euros.

Para quem adora o barulho das luzes: estão longe de ser uma novidade os projetos imersivos e interativos do atelier português OCUBO, que volta à carga com mais um ensaio bem luminoso, desta feita no renovado Jardim Botânico Tropical, a um passo do Mosteiro dos Jerónimos, em Belém. Magical Garden abre as suas portas já esta quinta-feira, 1 de outubro, e pode ser visto até 15 de novembro, naquela que é uma experiência sensorial noturna, entre milhares de lâmpadas LED, lanternas, hologramas, esculturas de luz e outros destaques num caminho com pouco mais de um quilómetro que promete um périplo por uma série de espécies selvagens. Por fim, a fachada do Palácio dos Condes da Calheta recebe um espetáculo de videomapping que permite desvendar várias curiosidades sobre o jardim.

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.