O Pessoas-Animais-Natureza (PAN) declarou o seu apoio à candidata Ana Gomes, nas eleições presidenciais de janeiro de 2021, após decisão da Comissão Política Nacional do partido.

O anúncio foi feito pela líder parlamentar, Inês Sousa Real, em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa.

“O PAN decidiu apoiar a canidatura de Ana Gomes à Presidência da República”, anunciou, considerando que a antiga eurodeputada é uma “candidata forte e independente”.É o segundo partido a anunciar o apoio à antiga eurodeputada, depois de o Livre o ter feito no final de setembro.

A diplomata e ex-eurodeputada socialista Ana Gomes confirmou no início de setembro que vai ser candidata a Presidente da República.

Na semana passada, o porta-voz do PAN, questionado sobre o assunto, referiu que o partido se encontrava “a fazer esse debate internamente” e adiantou que “muito em breve” tomaria uma posição oficial sobre as eleições presidenciais. Nas presidenciais de 2016, o Pessoas-Animais-Natureza declarou apoio à historiadora, escritora e ex-jornalista Manuela Gonzaga, que acabou por desistir antes das eleições por não ter conseguido a validação das 7.500 assinaturas necessárias para oficializar a candidatura.

A seis meses do fim do mandato do atual Presidente da República, são já oito os pré-candidatos ao lugar de Marcelo Rebelo de Sousa. São eles o deputado André Ventura (Chega), o advogado e fundador da Iniciativa Liberal Tiago Mayan Gonçalves, o líder do Partido Democrático Republicano (PDR), Bruno Fialho, a eurodeputada e dirigente do BE Marisa Matias, a ex-deputada ao Parlamento Europeu e dirigente do PS Ana Gomes, Vitorino Silva (mais conhecido por Tino de Rans), o ex-militante do CDS Orlando Cruz e a partir de hoje João Ferreira, do PCP.

PAN diz que é preciso assegurar derrota do populismo

“Nas próximas eleições, é preciso assegurar não só a derrota clara do populismo antidemocrático, do populismo racista, machista, homofóbico e xenófobo, mas também conseguir derrotar à segunda volta o conservadorismo de um estilo presidencial que não demarca linhas vermelhas na salvaguarda ambiental, e cuja candidatura representa o crescimento de um projeto de bloco central que é bastante nefasto para a democracia”, afirmou Inês Sousa real  em conferência de imprensa na sede do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), em Lisboa, depois de anunciar o apoio do partido à candidata Ana Gomes

“Portugal precisa de uma Presidente da República que demonstre também afeto pelo planeta e que priorize aquilo que são os desafios ambientais”, frisou.

Na ótica do partido, “as próximas eleições presidenciais serão também um combate pela democracia e pela defesa da Lei Fundamental, a Constituição da República Portuguesa”, uma vez que “as instituições democráticas têm sido postas em causa e tem sido demonstrado muito pouco interesse”, por parte de PS e PSD, por exemplo no combate à corrupção.

Inês Sousa Real considerou também que o “fechamento do sistema democrático” tem levado ao “crescimento do descontentamento” e a uma “quebra de confiança” por parte dos cidadãos, o que permitiu o “aumento dos populismos e dos perigosos discursos de ódio que põem em risco os mais básicos pilares do Estado de direito democrático”.

Na conferência de imprensa, a líder parlamentar adiantou igualmente que o partido “apoia Ana Gomes porque também se revê na análise que faz à corrupção e à falta de transparência” em Portugal e advogou que “essa convergência é bem visível quer nos posicionamentos, quer nas propostas apresentadas pelo PAN na Assembleia da República”.

“Portugal precisa de uma Presidente da República que demonstre também afeto pelo planeta e que priorize aquilo que são os desafios ambientais”, frisou também.

Para a líder parlamentar, “contrariamente a outros que, perante a emergência climática, culpam apenas e só o capitalismo ou não colocam o problema no topo das prioridades, Ana Gomes encara este como um desafio” atual e “percebe que a responsabilidade é das políticas que suportam um modelo económico tradicional que não é disruptivo e que assenta no produtivismo e no extrativismo”.

O Pessoas-Animais-Natureza aplaude igualmente que Ana Gomes rejeite projetos como o aeroporto do Montijo, “mesmo que isso vá contra os interesses do seu próprio partido [o PS], o que demonstra também a sua independência”, ou que se insurja contra as touradas.