A Feira Internacional do Livro de Guadalajara, no México, cancelou a versão presencial, que devia abrir a 28 de novembro, e transpôs as iniciativas possíveis para o digital, por causa da pandemia de covid-19, anunciou a organização.

O presidente da feira, Raúl Padilla, disse esta sexta-feira à noite, em Guadalajara, no México, que a decisão foi tomada na sequência de recomendações dos especialistas em saúde da universidade local, e depois de “muitos participantes” terem cancelado a sua deslocação à Feira Internacional do Livro (FIL).

A escritora portuguesa Lídia Jorge, vencedora da edição deste ano do principal prémio da FIL, o Prémio de Literatura em Línguas Românicas, deveria receber o galardão na abertura do certame, numa cerimónia que agora deverá decorrer ‘online’.

“Esta será a primeira vez que a FIL, fundada em 1987 pela Universidade de Guadalajara, não se realiza de maneira presencial na Expo Guadalajara, onde no ano passado se reuniram mais de 828 mil visitantes, 800 autores, 20.000 profissionais do livro e 2.400 chancelas editoriais de 48 países”, disse Padilla, na videoconferência transmitida nas redes sociais da FIL.

“A nossa responsabilidade é garantir a saúde e segurança das pessoas e a realidade obriga-nos a omitir a parte presencial da FIL e a focarmo-nos no formato virtual”, acrescentou.

“Esta edição especial da Feira poderá ser seguida através da página ‘web’ da FIL [www.fil.com.mx] e das suas redes sociais”, lê-se no comunicado entretanto divulgado pelo gabinete de imprensa do certame.

A programação ‘online’ manterá encontros e conferências com autores, editores e profissionais do setor.

Para a FIL Niños, dedicada à edição infantojuvenil, foram concebidos ‘ateliers’, a decorrerem ‘online’.

No âmbito profissional, “foram criadas ferramentas, todas gratuitas, para apoiar os participantes registados em 2019 e 2020”, todas disponíveis no ‘site’ oficial, adianta o comunicado da FIL.

Uma dessas ferramentas é o “Mercado de Livros”, que permitirá o contacto direto de editores e livreiros com os leitores.

Outra é a plataforma “FIL Negócios”, destinada a profissionais.

Com o cancelamento das iniciativas na Expo Guadalajara, a FIL adiou para 2022 a programação do convidado de honra deste ano, o Emirado de Sharjah.

Declarado, no ano passado, Capital Cultural do Livro, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), Sharjah, um dos sete Emirados Árabes Unidos, previa levar a Guadalajara uma programação que demonstrasse “a riqueza do idioma árabe, da sua literatura, da sua cultura e da sua história”.

A FIL de Guadalajara foi distinguida este ano com o Prémio Princesa das Astúrias de Comunicação e Humanidades, por ser “um dos mais importantes pontos de encontro do livro, de escritores, leitores e de culturas do mundo”. O galardão será entregue no próximo dia 16, em Oviedo, Espanha.

A FIL de Guadalajara é a segunda maior feira do livro a nível mundial, depois da feira de Frankfurt, na Alemanha.

A 34.ª edição devia decorrer de 28 de novembro a 06 de dezembro deste ano.

Portugal foi o país convidado da 32.ª edição da FIL, realizada em 2018.

O México registou 414 mortos e 4.775 infetados com o novo coronavírus, nas últimas 24 horas, elevando o total de óbitos para 78.492 e o de casos para 753.090, segundo o anúncio feito pelas autoridades locais.

Este país ocupa o quarto lugar no mundo, em termos de número de mortes, atrás dos Estados Unidos, do Brasil e da Índia, e é o sétimo no número de casos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 34,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.