Macau registou uma quebra de 87,2% no número de visitantes nos primeiros dois dias da chamada ‘semana dourada’, que decorre entre 1 e 08 de outubro, comparativamente ao ano passado.

Nos primeiros dois dias da ‘semana dourada’, quinta-feira e sexta-feira, entraram no território 37.619 visitantes, indicou a Direção dos Serviços de Turismo (DST), com base nos dados fornecidos pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP).

Daqueles, 35.483 eram oriundos do interior da China, uma descida de 86,2%, em relação ao ano passado.

Na quinta-feira, 15.503 pessoas visitaram Macau, menos 88,5% do que em 01 de outubro de 2019, enquanto na sexta-feira, o número de visitantes entrados na região administrativa especial chinesa foi de 22.116, menos 86,1% comparativamente a igual dia do ano anterior.

À margem das cerimónias comemorativas do 71.º aniversário da Implantação da República Popular da China, na quinta-feira, o chefe do Executivo de Macau considerou que ainda haverá “um longo caminho a percorrer” para recuperar o número de visitantes, designadamente de 2019.

Há um ano, Macau recebeu na ‘semana dourada’ de outubro, entre os dias 1 e 7, quase um milhão de pessoas.

Para Ho Iat Seng, o número de visitantes pode ser afetado pelas medidas de prevenção epidémicas em vigor no território e que obrigam os visitantes do interior da China à apresentação de resultado negativo do teste à covid-19. Por outro lado, adiantou que, tendo em conta a situação da pandemia a nível mundial, é impossível de momento permitir a entrada de visitantes ou trabalhadores estrangeiros em Macau.

As ‘semanas douradas’ são períodos que concentram vários feriados. Este ano, assinalou-se também a 01 de outubro a festa do Bolo Lunar, ou de meio do outono.

A ‘semana dourada’ de outubro constitui o segundo maior movimento de massas na China, a seguir ao período da passagem do novo ano lunar, em janeiro ou fevereiro, a principal festa das famílias chinesas.

Este período de festividades era visto, pelas autoridades e por analistas, como um teste à capacidade de, por um lado, receber visitantes, e por outro, evitar novos casos da doença no território, com uma economia altamente dependente dos visitantes chineses e praticamente paralisada desde finais de janeiro. No ano passado, Macau recebeu quase 40 milhões de visitantes.

A região administrativa especial chinesa foi dos primeiros territórios a ser atingido pela pandemia, tendo registado 46 casos. Atualmente, não tem nenhum caso ativo.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 34,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.