O Presidente angolano felicitou esta sexta-feira o português Durão Barroso pela sua “merecida nomeação” para presidente do conselho de administração da Aliança Global para as Vacinas (GAVI).

Numa mensagem distribuída à comunicação social, João Lourenço expressou as mais calorosas felicitações e a satisfação ampliada por comungarem a mesma língua e os grandes objetivos de proteção da saúde da população mundial.

O chefe de Estado angolano considerou relevante a nomeação de Durão Barroso no papel que a GAVI tem vindo a desenvolver para mobilizar recursos financeiros e promover acordos com as entidades capacitadas no desenvolvimento e produção de vacinas, para combater doenças da infância e, recentemente, para que os países mais pobres do mundo possam aceder de forma equitativa à vacina contra a pandemia de Covid-19.

Angola acredita que também terá acesso a estas vacinas através da iniciativa COVAX, onde somos subscritores e estamos comprometidos na preparação de condições para que este processo cubra todas as pessoas de risco do nosso país”, disse.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

João Lourenço sublinhou que Angola está ciente de que, com a capacidade de Durão Barroso, bem como a extensa e variada experiência em funções executivas de alto nível, levará com sucesso estas e outras iniciativas em favor das crianças e das pessoas mais vulneráveis da sociedade, que sem a intervenção de organizações como a GAVI permaneceriam excluídas do acesso aos benefícios que a ciência e a tecnologia podem oferecer.

O Presidente angolano destacou a longa parceria entre o país lusófono e a GAVI, que data de 2002, altura em que a organização iniciou o apoio a Angola na expansão da cobertura de vacinação infantil às populações mais desfavorecidas, principalmente das áreas rurais.

Segundo João Lourenço, a GAVI apoiou Angola, de 2006 até 2015, com mais de 100 milhões de dólares (85,1 milhões de euros), para o financiamento da introdução de novas vacinas mediante um mecanismo de cofinanciamento gradual entre o governo angolano e a GAVI, o que permitiu ao Estado ir assumindo gradualmente o custo das novas vacinas.

Atualmente, o apoio da GAVI mantém-se para intensificar a vacinação de rotina, aquisição de cadeia de frio, formação de recursos humanos em logística, vigilância epidemiológica, sistema de informação, entre outras”, lê-se no documento.

O plano pós transição 2019-2020, indica ainda a nota, está em implementação com um orçamento de 20 milhões de dólares (17 milhões de euros), sendo expectável a sua extensão para contribuir no esforço de Angola em garantir a cobertura universal na vacinação e cuidados primários de saúde.