Com os primeiros XC40 Recharge a sair da linha de produção na Bélgica, a Volvo prepara já um segundo modelo eléctrico a bateria e com um grau de sofisticação superior. Em vez de partir de uma plataforma adaptada, que nasceu sobretudo para montar mecânicas a combustão, o novo modelo será concebido sobre uma base específica para veículos eléctricos, optimizando todas as vantagens que esta tecnologia fornece, tanto em termos de custos como de eficiência.

O novo modelo eléctrico em será mais pequeno do que o actual XC40 Recharge e quem o disse foi o CEO da Volvo, Hakan Samuelsson, que numa conversa com a Auto Express confirmou que os seus engenheiros estão já a trabalhar num segundo eléctrico de dimensões inferiores, suportado pela plataforma SEA, concebida especificamente para modelos alimentados por bateria.

A plataforma (SEA) foi projectada pela Geely, pertença de Li Shufu, o construtor chinês que é dono da Volvo e Polestar. Caracteriza-se por, tal como a MEB da Volkswagen, permitir a construção de modelos com diferentes comprimentos e larguras, além de distintas alturas ao solo, para dar origem a veículos com maior (SUV) ou menor altura ao solo (berlinas). Possibilitando a concepção de veículos do segmento A ao D, a SEA será utilizada pelo menos em 16 modelos a produzir pela Geely, mas igualmente por outras marcas do grupo, da Link & Co à Volvo e à Polestar, entre outras, uma vez que Li Shufu revelou abertura para a vender a outros construtores concorrentes, tanto chineses como europeus ou norte-americanos.

O novo SUV eléctrico da Volvo, de acordo com Samuelsson, faz parte da estratégia da Volvo em lançar um novo modelo eléctrico todos os anos até 2025, objectivo necessário para conseguir atingir 50% das vendas com veículos a bateria. Este novo XC20, assim se deverá denominar, chegará ao mercado em 2021 e no ano seguinte será a vez de, provavelmente, uma carrinha V40 a bateria, sempre com base na SEA.