Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há muitas empresas a investir quantidades astronómicas de dinheiro para desenvolver sistemas que permitam a condução autónoma de veículos. Inicialmente os testes são realizados em ambiente controlado, em pistas de testes e afins, para depois se passar à estrada ou às ruas de determinadas cidades, sempre com um condutor responsável pronto a assumir o controlo do veículo em caso de perigo iminente. Só depois de meses a demonstrar um desempenho irrepreensível é que os diferentes estados americanos (em nenhum europeu) concedem às empresas autorização para testar sem que ao volante esteja alguém capaz de assumir o controlo ao mínimo descuido da máquina. Estes casos são raros e limitam-se à Waymo, a divisão de condução autónoma da Google que foi a primeira a usufruir desta liberdade, a que se juntou posteriormente em áreas mais limitadas a AutoX e a Nuro.

7 fotos

Em Junho, a Amazon adquiriu a Zoox, por cerca de 1,3 mil milhões de dólares, empresa californiana que foi fundada em 2014 e que também tem algumas cartas na manga sobre a tecnologia de carros sem condutor. A confirmação surgiu agora, quando as autoridades da Califórnia anunciaram que a Zoox será a quarta empresa a poder circular em zonas específicas com os seus veículos autónomos sem que um técnico esteja sentado no lugar do condutor, pronto a assumir o volante a todo o momento.

De recordar que a Amazon já tinha revelado interesse pelos veículos autónomos, quando investiu 530 milhões de dólares na Aurora em 2019, outra startup do sector que recorre à inteligência artificial para criar sistemas de condução que prescindam de condutor. Veja aqui como o sistema lida com o trânsito de São Francisco:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR