O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou esta terça-feira que vai suspender até às eleições a negociação de um pacote de estímulo para a economia norte-americana com os democratas da Câmara dos Representantes, depois de estes pedirem uma quantia superior à que a Casa Branca está disposta a aprovar.

De um lado, os democratas da Câmara dos Representantes (que é, no sistema político norte-americano, quem controla o orçamento) aprovaram dia 2 de outubro um pacote de estímulo de 2,2 biliões de dólares (1,87 biliões de euros) — um valor consideravelmente abaixo dos 3,5 biliões inicialmente defendidos (2,98 biliões de euros). Do outro, a Casa Branca tem mantido o seu limite nos 1,6 biliões de dólares (1,36 biliões de euros), parte de um pacote que incluiria um subsídio de desemprego de 400 dólares (340 euros) semanais — proposta rejeitada pelos democratas, que queriam que esse valor fosse antes de 600 dólares (510 euros) por semana.

“Nancy Pelosi está a pedir 2,4 biliões de dólares [nota: na verdade, são 2,2] para resgatar estados democratas, que são mal geridos e que têm altos níveis de crime, com dinheiro que não tem nada a ver com a Covid-19. Fizemos uma oferta muito generosa de 1,6 biliões de dólares e, como de costume, ela não está a negociar de boa-fé”, escreveu Donald Trump. A condição do programa de estímulo aprovado pelos democratas na Câmara dos Representantes continha, de facto, medidas que previam o financiamento de despesas e dívidas dos estados que não estivessem diretamente relacionadas com a pandemia — algo que levou a que muitos republicanos denunciassem haver aqui um “resgate de estados azuis”, em alusão à cor do Partido Democrata.

Por isso, acrescentou Trump, rejeita a proposta democrata (que foi aprovada a 2 de outubro na Câmara dos Representantes, que tem maioria democrata, com 214 votos a favor e 207 contra) e esclareceu:

Dei instruções aos meus representantes para pararem as negociações até depois das eleições e, imediatamente depois de eu ganhar, vamos passar um pacote de estímulo enorme que será focado nos americanos trabalhadores e nos pequenos negócios”

Ainda na sequência desta decisão, Donald Trump disse que pediu ao líder dos republicanos no Senado, Mitch McConnell, para se “concentrar antes a tempo inteiro” na aprovação da juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal. Esta exortação surge numa altura em que três senadores republicanos estão doentes como Covid-19, o que poderá levar a que as votações para a confirmação daquela juíza (que têm de ser feitas no Senado, onde os republicanos têm maioria) se compliquem.

A notícia da retirada da Casa Branca das negociações com os democratas teve repercussões imediatas nas principais bolsas norte-americanas, com quedas acentuadas no Dow Jones e no Nasdaq, cada um com uma queda de mais de 2% em menos de duas horas depois do anúncio de Donald Trump.