Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No Illinois, Estados Unidos da América, o condutor de um SUV, um Chevrolet Tahoe já com uns anos, aguardou atrás da cancela fechada de uma passagem de nível que um comboio de mercadorias passasse. Mas, assim que a via ficou livre, tratou de acelerar e fintou as cancelas para ir à sua vida.

O homem não se terá apercebido que se aproximava uma segunda composição, igual à primeira, embora esta fosse visível pois circulava na linha mais próxima, com o maquinista a manter os três potentes faróis ligados para avisar os mais distraídos e a apitar para reforçar o alerta.

De acordo com o autor do vídeo que captou o acidente, o condutor tinha a música num volume muito elevado, o que o impediria de ouvir o apito. O resultado foi que o comboio colheu o SUV, destruindo-o por completo. Ainda assim, o condutor sobreviveu.

Nos EUA, o transporte ferroviário tem um peso tremendo, sendo frequente ver composições com mais de uma centena de vagões de carga, puxados por duas ou quatro máquinas a gasóleo, com potências que facilmente atingem 4400 cv, como era o caso desta, da Canadian National. São conjuntos compridos, que parecem não mais acabar, especialmente por se deslocarem a baixa velocidade, obrigando os automobilistas a esperar que a cancela suba durante longuíssimos minutos. Sucede que encurtar a espera é um risco e os azares acontecem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR