A operadora de jogo Sociedade de Jogos de Macau (SJM) admitiu esta quarta-feira que o fluxo de turistas chineses durante a primeira semana de outubro, época em que muito se viaja no país, foi pior do que esperavam.

“Podemos ver que o fluxo de pessoas não é suficiente, tem de ser passo a passo. É pior do que esperávamos”, afirmou a diretora executiva da SJM Angela Leong, aos jornalistas, à margem de um evento para celebrar o 71.º aniversário da fundação da República Popular da China.

Após a reabertura dos vistos individuais e de grupo da China continental para o território no dia 23 de setembro, suspensos desde o início da pandemia, o setor turístico e do jogo esperava que a semana em torno das celebrações do Dia Nacional da China (a chamada “Semana Dourada”) pudesse ajudar as perdas na capital mundial do jogo, em crise devido às restrições fronteiriças e à ausência de turistas.

Os números oficiais apontam para 120.165 visitantes, uma queda de 86,6% nos seis primeiros dias da “Semana Dourada”, em comparação com o mesmo período do ano passado. A ‘semana dourada’ de outubro constitui o segundo maior movimento de massas na China.

Quanto às receitas da SJM, fundada Stanley Ho, que morreu aos 98 anos no dia 26 de maio, a última mulher do magnata, Angela Leong disse, sem precisar, que “diminuíram muito”.

“As receitas não são muito satisfatórias, são piores do que esperávamos”.

Os últimos dados conhecidos apontam que a SJM, 22 casinos no território, registou perdas de 1,41 mil milhões de dólares de Hong Kong (155 milhões de euros) no primeiro semestre de 2020, devido ao impacto da Covid-19.

Nos primeiros nove meses do ano, a quebra na receita de todos os casinos de Macau foi de 82,5%, em comparação com o período homólogo de 2019.

Os casinos de Macau fecharam 2019 com receitas de 292,4 mil milhões de patacas (cerca de 31,1 mil milhões de euros).